Venda de imóveis usados fica quase estável em fevereiro

Com um crescimento de 4,92% em fevereiro em relação a janeiro, o bom desempenho das vendas de imóveis usados em São Paulo conseguiu compensar o resultado negativo nas outras três regiões do Estado que compõem o índice estadual de vendas. O índice estava em 0,7261 em janeiro e subiu para 0,7266 em fevereiro, uma discreta alta de 0,07%. As vendas no segundo mês do ano caíram 3,12% no Litoral, 1,87% no Interior e 2,63% nas cidades de Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Guarulhos e Osasco. Os números foram levantados em pesquisa feita pelo Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo (Creci-SP) com 1.529 imobiliárias de 37 cidades compreendidas em quatro regiões. ?As vendas em Fevereiro tiveram forte crescimento na Capital, movimento até considerado atípico para um mês de Carnaval, por causa da ampliação dos financiamentos bancários para os compradores finais, mas esse efeito não se reproduziu nas demais regiões pesquisadas?, afirmou o presidente do Creci-SP, José Augusto Viana Neto. ?Vamos esperar que os benefícios do aumento do crédito se espalhem por todo o Estado nos próximos meses, já que os bancos estão competindo inclusive na melhoria dos prazos e condições de pagamento e já têm até prestação fixa.? Os imóveis mais vendidos no período foram aqueles situados nas faixas de valor até R$ 100 mil. Eles representam 60,89% do total negociado na Capital; 66,88% no Interior; 67,82% no ABCD mais Guarulhos e Osasco; e 73,59% no Litoral. Locação mantém-se estável Segundo o levantamento da Creci-SP, em fevereiro 3.394 imóveis foram alugados, o que fez com que o índice estadual de locação baixasse em 0,06%. Na Capital, houve queda de 6,09% nas locações. Na região do ABCD, Guarulhos e Osasco, as locações em Fevereiro foram 5,44% inferiores às de Janeiro; no Litoral, a queda foi de 1,56%. O contraste ficou por conta do Interior, onde foi constatado aumento de 8,63% no número de novos contratos de locação de casas e apartamentos. Os mais procurados Imóveis com aluguel de até R$ 600 foram os mais procurados, somando 68,5% das casas e apartamentos alugados na Capital; 86,67% no Interior; 86,05% no ABCD mais Guarulhos e Osasco; e 73,2% no Litoral. A pesquisa também apurou que a inadimplência dos inquilinos aumentou na Capital em 6,31%; no Litoral, em 4,66%; e no Interior, em 6,13%. Nas cidades do ABCD, mais Guarulhos e Osasco, houve queda de 14,08% no índice.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.