Venda de imóveis usados nos EUA atinge maior nível desde 2007

Comercialização cresce 10,1% em outubro com benefício fiscal oferecido pelo governo aos consumidores

GUSTAVO NICOLETTA, Agencia Estado

23 de novembro de 2009 | 13h39

As vendas de imóveis residenciais usados nos Estados Unidos cresceram 10,1% em outubro, para uma taxa anualizada de 6,1 milhões, de acordo com dados da Associação Nacional de Corretores de Imóveis do país (NAR, na sigla em inglês). Este é o maior nível desde fevereiro de 2007. Analistas consultados pela Dow Jones esperavam aumento de 2,3% nas vendas, para 5,70 milhões, em termos anualizados.

 

Veja também:

link Economias desenvolvidas saíram da recessão no 3º tri, diz OCDE

especial Um ano após auge da crise, economia do Brasil se recupera

especial Dicionário da crise 

especial Como o mundo reage à crise 

Em setembro, as vendas de imóveis residenciais usados cresceram 8,8%, para a taxa anualizada de 5,54 milhões, em dados revisados. Originalmente, a NAR havia divulgado um aumento de 9,4% nas vendas de setembro, para a taxa anualizada de 5,57 milhões.

Segundo o economista Lawrence Yun, da NAR, muitos norte-americanos estão correndo para aproveitar um crédito fiscal oferecido àqueles que comprarem pela primeira vez um imóvel residencial. O benefício, que terminaria em novembro, foi ampliado e prorrogado até abril do ano que vem pelo Congresso dos EUA.

Além disso, as taxas de hipotecas e os preços dos imóveis caíram, contribuindo para o aquecimento das vendas. A taxa média para hipotecas de 30 anos estava em 4,95% em outubro, abaixo dos 5,06% de setembro, segundo dados da Freddie Mac. A NAR informou que o preço médio dos imóveis usados no mês passado foi de US$ 173,1 mil, 7,1% abaixo dos US$ 186,4 mil de outubro de 2008. Na comparação por ano, as vendas de imóveis residenciais usados em outubro ficaram 23,5% acima do nível registrado em igual período de 2008. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
vendasimóveis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.