Venda de multimarcas de botijão aumenta fraude, diz Fenegas

O presidente da Federação Nacional das Associações do Comércio Varejista e Transportador de Gás Liquefeito de Petróleo (Fenagas), Jorge Lúcio Silva, entregou hoje ao secretário de direito econômico do Ministério da Justiça, Daniel Goldberg, um estudo que, segundo ele, mostra que a venda multimarca de botijões poderá trazer danos ao mercado e aos consumidores. ?O portaria nivela o mercado por baixo, porque reduz a capacidade de prestação de serviços do revendedor e diminui a segurança do produto vendido?, disse.De acordo com ele, a portaria tende a incentivar a concorrência predatória, com aumento da informalidade e da adulteração. ?Já tem revendedor clandestino enchendo botijão com água e areia?, disse. Segundo ele, a Fenagas defende um mercado regulado, com cada revendedor ligado a uma marca específica e mais organização, por meio de fiscalização adequada. De acordo com Silva, o secretário se mostrou preocupado com a situação e disse que avaliará como ficou o mercado depois da portaria.

Agencia Estado,

27 de novembro de 2003 | 15h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.