Wilton Junior|Estadão
Wilton Junior|Estadão

Venda de subsidiárias da Eletrobrás afeta 6 mil empregados

Com privatização, funcionários, contratados pela CLT, passarão a fazer parte do quadro da empresa compradora

Anne Warth, O Estado de S.Paulo

03 Março 2018 | 05h00

BRASÍLIA - A privatização das seis distribuidoras da Eletrobrás vai afetar mais de seis mil trabalhadores. Assim que as empresas forem leiloadas, os empregados deixarão de trabalhar para o setor público e passam a ser chefiados por uma empresa privada. A experiência de outras estatais que foram privatizadas mostra que isso significa planos de desligamento voluntário (PDVs), demissões e aumento nas terceirizações.

Os empregados de empresas estatais são contratados por meio de concursos públicos, no regime celetista, regido pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Não são funcionários públicos e, portanto, não possuem estabilidade. Porém, as demissões em estatais não são um ato de praxe, a não ser em casos de falta grave. Uma vez passado o período de experiência, de três meses, na prática, a vida profissional fica muito próxima da estabilidade.

A Celg-D, distribuidora que atua no Estado de Goiás, pertencia à Eletrobrás e ao governo goiano. Foi comprada pela Enel no fim de 2016. Desde então, a força de trabalho caiu quase que pela metade. De acordo com o diretor do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas no Estado de Goiás , Eliomar Palhares, a empresa tem hoje 1.068 empregados, ante 1.972 em janeiro de 2017. “A primeira coisa que os novos acionistas da Celg-D fizeram ao assumir a empresa foi um PDV. Saíram mais de 800 pessoas. Em seguida, houve uma leva de demissões mensais”, afirmou. Em janeiro do ano passado, havia dois terceirizados para cada empregado direto. Agora, são 5 para 1, segundo Palhares. Cerca de 30 ex-funcionários da Celg-D voltaram para a empresa como terceirizados.

++ Eletrobrás perde relevância na geração de energia do País

Em Rondônia, onde fica a Ceron, uma das seis distribuidoras da Eletrobrás, a Federação Nacional dos Urbanitários (FNU),entrou com várias ações em diversas instâncias da Justiça para anular a assembleia de acionistas realizada em fevereiro que aprovou a privatização das subsidiárias. “Nossa luta é para que as empresas não sejam privatizadas. Acreditamos que vamos reverter esse quadro”, disse o vice-presidente da FNU, Nailor Gato.

O leilão das distribuidoras está marcado para o dia 30 de abril. Assumidas pela Eletrobrás em 1998, as concessionárias, que antes pertenciam a governos estaduais, geraram prejuízos de mais de R$ 20 bilhões para a holding.

O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Paulo Pedrosa, afirma que a privatização é a melhor solução para todos – empregados, governo, empresas e clientes. “Sem a privatização, essas empresas serão liquidadas. Esse é o pior cenário para os trabalhadores, que terão de lidar com uma massa falida”, disse. Na avaliação dele, a venda vai gerar novas oportunidades para os funcionários. Questionado sobre a possibilidade de demissões e terceirizações, Pedrosa respondeu que essa é uma decisão que cabe aos novos concessionários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.