Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Venda de veículos cai 23% na 1a quinzena de abril, diz Anfavea

O novo presidente da Associação Nacional dos Veículos Automotores (Anfavea), Rogelio Golfarb, afirmou hoje, em sua primeira entrevista coletiva antes da posse oficial, que as vendas de veículos no mercado interno nos primeiros 15 dias de abril esfriaram em relação à primeira quinzena de março. Foram licenciados 53 mil veículos nos primeiros 15 dias de abril, 23% a menos do que no mesmo período em março. Na média diária de vendas, a redução foi de 15% sobre a primeira metade de março.Golfarb declarou que essa queda resulta do fato de que no mês de março o setor automotivo ainda negociou veículos com o Imposto sobre Produtos (IPI) reduzido. Ele afirmou que a indústria negocia com o governo federal uma nova redução do IPI que incide sobre os veículos, de cerca de 2%. Segundo Golfarb, esse novo acordo tem o objetivo de compensar o aumento da alíquota da Cofins, que para as montadoras subiu de 8,26% para 9,25% em fevereiro de 2004. O presidente da Anfavea ressaltou que essa nova redução do imposto não será repassada para os preços finais dos veículos ao consumidor. "A redução do IPI simplesmente vai compensar o aumento da Cofins; não vai alterar nada no preço", disse ele, acrescentando que não sabe quando a redução poderá ocorrer.Sem negociaçõesGolfarb afirmou que a Anfavea não está negociando nenhum acordo com o governo federal envolvendo uma nova linha de crédito para estimular as vendas de veículos. Ele disse também que o setor não pediu ao governo a redução de impostos para o aço, embora o produto esteja hoje com preços excessivamente elevados, segundo ele.De acordo com a Anfavea, o preço do aço aumentou 71% entre janeiro de 2002 e fevereiro de 2004 e novas altas de 10% a 15% deverão ocorrer em maio. Isso significa que até o fim do mês que vem a elevação do preço do aço vai chegar a 86% em relação a janeiro de 2002. Com a alta da Cofins, os custos do setor automotivo continuarão a ser pressionados. "Teremos aumento de custo, mas será impossível repassar isso para o consumidor", disse Golfarb.

Agencia Estado,

19 de abril de 2004 | 17h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.