Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Venda de veículos importados acumula queda de 21,8% no 1º trimestre

Em comparação a março de 2014, emplacamento de importados caiu 9,2% e a associação das importadoras não espera retomada das vendas durantes 2015

Igor Gadelha, Agência Estado

08 Abril 2015 | 15h41


SÃO PAULO - A venda de automóveis e comerciais leves importados novos cresceu 19,9% em março na comparação com fevereiro, mas recuou 9,2% ante igual mês do ano passado, divulgou a Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores (Abeifa).

Com o resultado, a venda de importados acumula queda de 21,8% no primeiro trimestre deste ano frente a igual período de 2014.

Em março, as 28 marcas associadas à entidade emplacaram 6.909 unidades, ante 5.764 vendidas fevereiro e 7.609 veículos comercializados de março do ano passado. 

Sem reação. A Abeifa avaliou que o resultado não pode ser visto como uma reação do mercado, pois o desempenho foi melhor em razão do maior número de dias úteis em março. No mês passado, foram 22 dias úteis de venda, quatro a mais do que em fevereiro, quando aconteceu o carnaval.

"É muito prematuro qualquer comentário sobre uma reação do mercado. Os números em geral, sejam os de vendas das nossas associadas como os do mercado total, ainda são preocupantes, quando comparados ao desempenho de 2014", avaliou o presidente da Abeifa, Marcel Visconde, em nota à imprensa.

De acordo com o executivo, as ações de marketing que cada marca vem realizando para atrair clientes e concretizar negócios também influenciou o desempenho dos importados. Diante do resultado ainda fraco, a Abeifa informou que mantém a previsão de que o primeiro semestre de 2015 será difícil.

"Ainda não temos um sinal positivo de que a economia deverá melhorar no curto prazo, por isso trabalhamos com um cenário de retração em 2015", complementa Visconde. Segundo previsão divulgada em março, a Abeifa projeta queda de 10% nas vendas de importados em 2015 ante 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.