Venda de veículos volta a crescer em novembro

Na primeira quinzena do mês, foram licenciados 169,8 mil veículos, um crescimento de 11,1% em relação ao mesmo período de outubro

CLEIDE SILVA, FERNANDA GUIMARÃES, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2011 | 03h08

As vendas de veículos apresentaram recuperação na primeira quinzena de novembro, se comparadas aos resultados de igual período do mês passado. Foram licenciados 169,8 mil automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus na primeira metade do mês, 11,1% a mais que no mesmo intervalo de outubro. Na comparação com novembro de 2010, foi registrada queda de 0,48%.

No ano, a indústria automobilística acumula, até meados de novembro vendas de 3,133 milhões de veículos, 5,3% a mais ante igual período do ano passado. A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) projeta encerrar 2011 com vendas totais de 3,69 milhões de unidades, cerca de 5% mais que o volume, até agora recorde, de 3,5 milhões de carros vendidos em 2010.

Para atingir a meta, o setor terá de vender pelo menos 550 mil veículos até o fim de dezembro. Executivos das montadoras acreditam que o pagamento do 13.º salário vai ajudar a empurrar as vendas nesse fim de ano, assim como as medidas do governo que reduziram as exigências para financiamentos de longo prazo, impostas no pacote do ano passado justamente para frear o consumo.

Para o presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Sérgio Reze, parte da melhora registrada na primeira quinzena deste mês é resultante de emplacamentos de veículos vendidos no mês passado, mas emplacados neste mês em razão do ponto facultativo do Dia do Servidor Público, em 28 de outubro, quando os Detrans não funcionaram em vários Estados.

"A tendência para novembro é manter a regularidade nos emplacamentos se comparado com os últimos meses", disse Reze. A previsão da Fenabrave para o ano praticamente empata com a da Anfavea, de vendas próximas a 3,7 milhões de veículos até o fim do ano.

O economista da consultoria MSantos, Ayrton Fontes, não está tão otimista. Para ele, apesar das normas anunciadas pelo Banco Central na semana passada flexibilizando os financiamentos de veículos em prazos até 60 meses, "não teremos, no curto prazo, alterações que permitam o aumento nas vendas de veículos".

Segundo Fontes, os bancos particulares que dominam o segmento de financiamento "vão continuar a ser mais seletivos na aprovação desse tipo de financiamento e provavelmente não deverão diminuir as taxa de juros, exceto o Banco do Brasil, que já anunciou pequena diminuição em suas taxas".

Fontes lembra ainda que, das vendas das montadoras, boa parte são as chamadas vendas especiais, para frotistas e locadoras, que adquirem produtos com descontos superiores aos dados ao consumidor pessoa física.

Segundo a Fenabrave, no ano (até a primeira metade de novembro), 24,7% de todos os automóveis vendidos no País foram para esse segmento, participação que sobe para 40,5% no caso dos comerciais leves.

Promoções. Muitas montadoras estão programando feirões e promoções para esta segunda metade do mês, algumas delas já em andamento. A General Motors realiza neste sábado e domingo evento no Campo de Marte, na região Norte da capital paulista, em que convida os consumidores a testarem o Cruze, sedã recém-lançado pela marca.

A GM também sorteia, desde o mês passado, pacotes turísticos para Orlando (EUA) a cem consumidores que adquirirem carros novos da marca, e cada um tem direito a levar três acompanhantes. A Toyota dá um vale-compra de R$ 4 mil também para quem comprar automóvel zero da marca japonesa.

Considerando todos os segmentos de veículos analisados pela Fenabrave, como motos e implementos rodoviários, as vendas totais na primeira metade de novembro chegaram a 264.762 unidades, alta de 10,05% ante outubro e de 1,15% em relação ao mesmo intervalo de 2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.