Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Venda e produção de veículos batem recorde histórico no ano

Comercialização soma 1,70 milhão de unidades nos sete primeiros meses; Brasil passa a ser 6º produtor mundial

Beth Moreira, da Agência Estado,

06 de agosto de 2008 | 10h52

O aumento do crédito e a melhoria das condições de financiamento continuam puxando as vendas de veículos no Brasil. Em julho, o setor bateu mais um recorde de vendas. O total de unidades comercializadas no mercado interno foi de 288,1 mil unidades, o que representa uma alta de 32,6% em relação ao mesmo mês do ano passado. Segundo os dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), as vendas no acumulado dos primeiros sete meses do ano somaram 1,70 milhão de unidades, também recorde histórico. O volume de vendas é 30,4% maior do que o registrado no mesmo intervalo de 2007. Veja também:Saiba como controlar o orçamento em tempos de inflação Organize e acompanhe suas despesas e ganhos   A produção de veículos também bateu recorde e somou 320,1 mil unidades em julho deste ano, com crescimento de 3,5% ante junho, e alta de 19,8% comparado a julho do ano passado. No acumulado do ano, a produção totalizou 2,01 milhões de unidades, o que representa uma expansão de 21,8% em relação ao mesmo período do ano passado e novo recorde histórico.  O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Jackson Schneider, afirma que o volume de crédito disponível para o setor em junho somou R$ 84,3 bilhões, o que representa um crescimento de 18,6% em relação ao mesmo mês do ano passado. Segundo ele, apesar do aumento da taxa básica de juros, a Selic, as vendas ainda não foram afetadas. A expectativa é de que isso ocorra nos próximos meses. Ele afirmou também que o aumento do crédito e, em comseqüência, das vendas não teve reflexo significativo nos níveis de inadimplência. A taxa do setor ficou em 3,6% em junho com pequena alta sobre o mesmo mês de ano passado (3,2%), mas menor do que os 3,7% registrados em maio. "O setor continua favorecido pelo ambiente macroeconômico, com a economia, massa salarial e emprego em crescimento", destacou. Schneider destacou ainda que no primeiro semestre do ano o País ocupa a posição de sexto maior produtor mundial de automóveis, atrás de Japão (6 milhões de unidades), China (5,2 milhões de), Estados Unidos (4,3 milhões), Alemanha (3,3 milhões) e Coréia (2,8 milhões). No ano passado, o Brasil ocupava a sétima posição, atrás da França, que agora ocupa esta posição. Segundo a Anfavea, as exportações de veículos e máquinas agrícolas somaram em US$ 1,23 bilhão, equivalente a queda de 3,8% sobre junho e de 2,9% sobre julho de 2007. As vendas externas do setor somaram US$ 8,12 bilhões nos primeiros sete meses do ano, o que representa crescimento de 9,5% em relação a igual período do ano passado. Carros Flex As vendas de automóveis e comerciais leves modelo flex (bicombustível) somaram 238,958 mil unidades em julho, o que representa um aumento de 31,17% em relação ao mesmo mês do ano passado (182,174 unidades). Em relação a junho deste ano, o aumento foi de 12,4%, sobre a comercialização de 212,533 mil veículos. No acumulado dos primeiros sete meses do ano as vendas de modelos flex totalizaram 1,410 milhão de unidades, o que corresponde a uma alta de 35,5% em relação ao registrado no mesmo intervalo de 2007. Carros com tecnologia bicombustível já respondem por 87,6% dos automóveis e comerciais leves vendidos no ano.

Tudo o que sabemos sobre:
VeículosSetor AutomotivoComércio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.