Venda forte no Natal leva comércio a cortar promoções

Três pesquisas divulgadas ontem indicam aumento de vendas do comércio neste Natal na faixa de 6% em relação à mesma data de 2008. O bom desempenho do varejo neste mês sinaliza que as liquidações pós-Natal serão mais escassas e o ano vai começar acelerado para a indústria, que terá de repor os estoques das lojas.

AE, Agencia Estado

29 de dezembro de 2009 | 08h51

Sondagem pós-Natal da Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP) feita com 190 lojas aponta que o faturamento real do varejo cresceu 6,4% no Natal, em relação a dezembro de 2008. Dados da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) mostram que as consultas para vendas à vista e a prazo recebidas pela entidade aumentaram, em média, 6% até o Natal, na comparação com os mesmos dias do ano passado.

O indicador Serasa Experian de Nível de Atividade do Comércio revela que no último fim de semana antes do Natal as consultas recebidas pela empresa para aprovar transações no varejo aumentaram 6,8% no País na comparação com igual período de 2008. Na semana do Natal, o acréscimo foi de 4,1% na mesma base de comparação.

O outro lado da moeda é que, por causa do bom desempenho do Natal, o consumidor não deve esperar grandes promoções, especialmente no caso de artigos de vestuário. Por enquanto, só duas grandes redes saíram com saldões. As Casas Bahia iniciaram a promoção com desconto de 50% no sábado e parcelamento em 17 vezes no cartão próprio. O Ponto Frio e o Extra, do Grupo Pão de Açúcar, também começaram o saldão no dia 26, com descontos de até 50% para eletroeletrônicos, artigos de utilidade doméstica e itens de vestuário e a possibilidade de parcelar em 24 vezes no cartão próprio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
varejovendasNatal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.