Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Venda no pequeno varejo de SP cai pelo 4º mês seguido

As vendas nas pequenas e micro empresas do varejo paulista voltaram a registrar queda. Em junho de 2007, a retração no faturamento real (descontada a inflação) foi de 2,8% ante mesmo período do ano anterior, marcando, assim, o quarto mês consecutivo de baixa. Os dados constam da Pesquisa Conjuntural do Pequeno Varejo (PCPV) da Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP). No acumulado dos primeiros seis meses do ano, segundo o levantamento, a queda é de 1,6% nas vendas do pequeno varejo.De acordo com a pesquisa, dos sete setores avaliados, apenas dois apresentaram resultados positivos em junho, sempre na mesma base comparativa do ano anterior. Foram os casos dos segmentos de Vestuário, Tecido e Calçados e também de Móveis e Decorações. No primeiro, o avanço nas vendas foi de 11,7%. Segundo a Fecomercio, as quedas na temperatura e a facilidade de crédito foram os principais fatores que impulsionaram o resultado no período.Já para Móveis e Decorações, o crescimento em junho no faturamento foi de 9,1%. Na avaliação da entidade que realiza a pesquisa, as condições de crédito e o atendimento de nichos específicos de mercado por parte das pequenas empresas contribuíram para o avanço.Na outra ponta, o grupo de Autopeças e Acessórios foi o que registrou o pior desempenho no período apurado. Em junho, o recuo no faturamento foi de 23,2%. De acordo com o levantamento, o setor vem sendo prejudicado, principalmente, pela importação de peças mais baratas, como dos países China e Índia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.