Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Venda para Rússia cai e brasileiros buscam alternativas

A partir de hoje, uma missão dos exportadores brasileiros de carne suína inicia negociações pela Europa para tentar abrir novos mercados

JAMIL CHADE, O Estado de S.Paulo

30 de março de 2015 | 02h04

GENEBRA A abertura comercial da Rússia para o Brasil não se traduz em benefícios e os exportadores nacionais saem em busca de alternativas. A partir de hoje, uma missão dos exportadores brasileiros de carne suína inicia negociações pela Europa para tentar abrir novos mercados e reduzir sua dependência do mercado de Moscou. O grupo, porém, é apenas o primeiro em uma série de entidades que prometem negociar um melhor acesso para seus produtos, diante da decepção no mercado russo.

A partir de meados de 2014, a Rússia passou a sofrer duas sanções da Europa e Estados Unidos em razão da guerra na Ucrânia. Num esforço de asfixiar o governo de Vladimir Putin, europeus e americanos passaram a adotar medidas para impedir que seus fornecedores pudessem vender carnes e produtos agrícolas para Moscou. A esperança, porém, é de que isso beneficiaria as exportações brasileiras.

Mas a crise econômica que se seguiu às sanções e a desvalorização de 50% do rublo anularam qualquer lucro. Nos dois primeiros meses de 2015, as exportações brasileiras para a Rússia caíram em 41%, somando US$ 282 milhões.

No mesmo período, as exportações de carnes para a Rússia encolheram em 49%, para apenas US$ 137 milhões. No segmento de carnes bovinas, a queda foi de mais de 60%, contra 20% de retração em suínos e 54% de queda no açúcar.

Missão. Diante da queda, o presidente executivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, inicia nesta semana uma missão para Bruxelas. Seu objetivo é o de negociar a abertura do mercado europeu para a carne suína e, assim, reduzir a dependência sobre a Rússia.

"Queremos reduzir a dependência das agroindústrias suinícolas dos países do Leste Europeu", declarou Turra. Sua estratégia é a de apostar na agroindústria de Santa Catarina.

"O Estado é reconhecido pela OIE como livre de aftosa sem vacinação, um requisito que pode ajudar nas negociações", informou a ABPA, em um e-mail.

No Itamaraty, diplomatas confirmaram ao Estado que outras entidades e empresas também já planejam buscar alternativas diante da queda nas compras russas. Além da Europa, o mercado asiático será uma das prioridades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.