Vendas caíram e inadimplência cresceu em março

O movimento de vendas no comércio, embora superior ao do ano passado, apresentou uma redução de ritmo no mês de março. A média diária de consultas ao Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) - que dá uma idéia das vendas a prazo - caiu 2,4% em março com relação a fevereiro, enquanto as consultas ao Telecheque - termômetro das vendas à vista - recuaram 2%. A queda, na avaliação da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), pode indicar uma tendência de acomodação das vendas, que vinham num ritmo forte no início do ano.A desaceleração também é explicada, em parte, pelo aumento da inadimplência, que subiu 22,9% em relação a fevereiro e foi 18,8% maior do que em março passado. A inadimplência líquida em março, descontados os acertos de dívidas pendentes, foi de 9,3%. Em março do ano passado, ela era de 8,1%. "Houve uma mudança de nível, mas não estamos diante de uma tendência explosiva", diz Alfieri. Segundo o presidente da ACSP, Alencar Burti, a alta da inadimplência, é resultado da expansão do crédito ao consumidor. Porém, a pesquisa da ACSP revela que o desemprego ainda é a principal causa da inadimplência, embora em nível menor. Ele é citado por 39% dos entrevistados. Em setembro era por 53%.Alta da SelicO aumento da taxa de juro básica, anunciada pelo Banco Central, há duas semanas, não se refletiu no movimento de março. A desaceleração das vendas já era notada na primeira quinzena do mês, quando o SCPC, pela média diária, registrou queda de 5,5% em relação a fevereiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.