José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Vendas da Black Friday no e commerce crescem 24% em relação a 2017, segundo Ebit/Nielsen

Período analisado foi de 22 de novembro a 26; Cyber Monday, que é a segunda-feira pós evento, focada em produtos tecnológicos, teve aumento de 20,7%

Felipe Siqueira, O Estado de S.Paulo

27 Novembro 2018 | 17h18

As vendas da Black Friday de 2018 em lojas virtuais, de quinta-feira, 22, pré evento, a segunda-feira, 26, pós data, cresceram 24%, em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo análise da Ebit/Nielsen. 

Para quinta-feira e sexta-feira (esquenta Black Friday e dia oficial do evento), o aumento no consumo foi de 23%. Este número supera a expectativa da empresa, que era de 15% de crescimento. Nos cinco dias totais de análise, foram R$ 3,9 bilhões em transações, com 6,9 milhões de pedidos feitos. O gasto médio de cada pedido feito foi de R$ 568, o que representa aumento de 9%, em comparação com 2017. 

Se contabilizarmos apenas a Cyber Monday, que é a segunda-feira pós Black Friday, focada em produtos tecnológicos, o volume de compras foi de R$ 372 milhões, o que significa aumento de 20,7% em relação a 2017. 

Mas, para o e-commerce, a Black Friday é a data mais importante do ano, principalmente quando se pensa em produtos tecnológicos, como smartphones, computadores e televisores, foco da Cyber Monday.

Um fator interessante que aconteceu no dia da Black Friday deste ano e na Cyber Monday foi o horário das buscas por produtos. A partir das 17h, houve um boom de 40% nas vendas após este horário. Enquanto que, na Cyber Monday, 67% das pessoas compram no período da tarde e à noite. Isto pode ser explicado pelo horário mais comum de expediente de trabalho, que, geralmente, se encerra entre 17h e 18h. Na Cyber Monday, por exemplo, R$ 205 milhões foram transacionados neste horário. 

“O desempenho surpreendeu, em alguns momentos, como de manhã e à tarde na quinta pré evento, em que registrou a maior variação de vendas em relação ao ano anterior. Já o período da noite de sexta teve crescimento de 40% em relação ao ano anterior”, explica a líder comercial para a Ebit/Nielsen, Ana Szasz. Na noite de sexta-feira, por exemplo, foi vendido 26% do total da da Black Friday, que se conta como quinta-feira e sexta-feira. 

Além disso, segundo levantamento realizado pelo Google, o varejo teve acréscimo de 33% nas buscas por produtos após as 18h. O setor de roupas foi o que teve o maior crescimento, com 42%, seguido de móveis, com 37% e beleza, 35%. Produtos de eletroeletrônicos e eletrodomésticos tiveram aumento de mais de 30%, em média, após este horário. 

Transporte e Turismo 

Embora as vendas no e commerce (lojas virtuais) sejam as que mais ficam em evidência em época de Black Friday no Brasil, o setor de Turismo e Transporte teve o maior aumento de quinta-feira a domingo (22 de novembro a 25 de novembro) deste ano, segundo Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA), que compila dados de transações realizadas em máquinas de cartão e em dinheiro. 

De acordo com o levantamento, o volume de vendas no Turismo e Transportes cresceu 40%, em comparação com o período da Black Friday de 2017. As compras em lojas virtuais ficaram em segundo lugar no quesito crescimento ano a ano, com 25,2%. No total de vendas, comparando a Black Friday de 2018 com o período da data no ano passado, o crescimento do evento foi de 11,2%.

O aumento foi mais significativo que o de 2016-2017, que ficou na marca de 8,8% de melhora. Este cenário de crescimentos consecutivos procede um período de queda muito forte no varejo brasileiro. Nos dados do mesmo ICVA, do segundo semestre de 2013 ao primeiro semestre de 2017, a queda do volume de crescimento foi vertiginosa. Não chegou a acontecer nenhum recuo, mas o varejo saiu de um crescimento de 14% do segundo semestre de 2013 para o primeiro de 2014, para apenas 1%, do segundo semestre de 2016 para o primeiro de 2017. Só a partir do segundo semestre do ano passado que o crescimento voltou a subir. Em 2017, por exemplo, a Black Friday aumentou mais que datas importantes do comércio nacional, como dia das mães e natal. 

Histórico 

A Black Friday passou a ser data fixa no comércio brasileiro a partir de 2010. Importada da cultura norte americana, o espírito, que são descontos agressivos, nunca chegou com muita força no Brasil, mas, hoje, já é um período do ano em que as reduções de preços são maiores que as realizadas durante o resto da temporada de compras. Atualmente, a prática do famoso ‘metade do dobro’, como acontecia no início, já não é tem comum, embora haja registros de empresas maliciosas.

O site Reclame Aqui, especializado em registrar insatisfações dos consumidores, registrou mais de 10 mil reclamações de quinta-feira, 22, a sábado, 24. Em 2018, a data já é a segunda mais importante para o comércio varejista, superando importantes marcas do comércio nacional, como Dia da Mães, Dia dos Namorados e Páscoa, ficando atrás apenas no natal. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.