Vendas de eletrodomésticos crescem 20,31% em setembro

Após acumular uma queda de 13,19% no primeiro semestre, o setor eletroeletrônico começa a registrar reação nas vendas. Uma pesquisa sobre o ritmo de vendas da Eletros Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos mostrou que, em setembro último, as vendas dos produtos da linha branca, de portáteis e de imagem e som apresentaram um crescimento de 20,31% em relação a setembro do ano passado, e de 20,39% em relação a agosto, mostrando uma forte recuperação do setor. "Se as vendas mantiverem-se nesse ritmo até dezembro, poderemos encerrar o ano com uma queda de 4% e iniciar 2004 com perspectivas de uma retomada do crescimento", disse o presidente da Eletros, Paulo Saab. Agora no acumulado do ano, o desempenho do setor registrou uma melhora, por causa dos índices de setembro, embora ainda prossiga negativo, agora em 8,14%, o que mostra uma recuperação sobre os 13,19% do 1º semestre. Segundo Saab, somente medidas que desonerem a produção e aumentem a renda média da população poderão levar o setor a retomar o crescimento, que, mesmo sendo pequeno, deve ser estável e contínuo. "Mantido o atual cenário de crescimento de vendas, as perspectivas são de início da retomada em 2004", estima o presidente da Eletros.O mês setembro, na comparação com igual período de 2002, os produtos de imagem e som registraram um incremento de vendas de 51,61%; os portáteis, de 20,31%, enquanto os da linha branca ainda mantiveram-se um pouco abaixo do ano passado, com queda de 1,11%. Paulo Saab explicou à Agência Estado que "o aumento na demanda iniciou-se em agosto e ganhou maior fôlego a partir de setembro", acrescentando que a perspectiva é de manutenção desse ritmo de retomada das vendas, tanto em função da demanda sazonal - maior no período das festas de final de ano -, quanto da nova linha de financiamento do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal, e de outras instituições financeiras para compra de geladeiras, lavadoras de roupa, fogões e televisores. Os resultados negativos que vinham sendo registrados em todas as linhas de eletroeletrônicos em função do desempenho de setembro tiveram uma melhora, embora ainda não suficiente para reverter as perdas acumuladas no ano. Na linha de imagem e som, as vendas de janeiro a setembro ainda registram queda de 1,26%; na linha de portáteis, estão 8,33% abaixo de igual período do ano passado, e na linha branca, acumulam queda de 15,09%. A queda das vendas do setor eletroeletrônico em 2003 já chega a dois anos consecutivos de retração, o que comprometeu o desempenho registrado pela indústria eletroeletrônica de consumo nos últimos oito anos. Estudo realizado pela Eletros, compreendendo o período de 1994 a 2002, mostrou que o setor cresceu apenas 1,11% em média ao ano, embora em 1995 e em 1996 tenha alcançado um índice de crescimento médio de 23% ao ano. Paulo Saab lembrou que "após o forte crescimento estimulado pelo Plano Real, entre 1994 e 1995, o setor eletroeletrônico enfrentou períodos de fortes oscilações e quedas, causadas inicialmente pela crise cambial, de 1999; posteriormente, pelo racionamento de energia elétrica, em 2001, e seguido pela retração do mercado interno em 2002". Um estudo da Eletros mostra que o balanço dos últimos oito anos do setor de imagem e som, apresentou uma queda de 0,08%; o de portáteis cresceu à taxa de 1,31% ao ano e a linha branca, com melhor performance, cresceu à média de 2,38%. Embora esta linha tenha apresentado um desempenho, ao longo dos últimos oito anos, superior às outras duas, foi a que mais se ressentiu este ano da retração de mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.