coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Vendas de eletroeletrônicos crescem 7,61% no 1º trimestre

Levantamento preliminar da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros) divulgado nesta segunda-feira mostrou que as vendas do setor cresceram à taxa média de 7,61% no primeiro trimestre deste ano, puxadas pela linha de aparelhos de imagem e som, com crescimento de 18%, e linha branca (geladeiras, fogões, e outros), com incremento de 7,84%. Os maiores índices de crescimento foram dos televisores e aparelhos de DVD, com, respectivamente, 43,75% e 26,24%.Para o presidente da Eletros, Paulo Saab,"o crescimento da demanda no segmento de imagem e som é estimulado pela Copa do Mundo, queda no preço dos produtos, aumento da renda das classes C e D e pela maior oferta de crédito, além do apelo das novas tecnologias".Quanto à linha branca, as vendas de refrigeradores e fogões cresceram a taxas de 12,61% e 8,49% respectivamente, enquanto freezers verticais e horizontais tiveram incremento de 51,61% e 8,29%, respectivamente.O único segmento que teve queda nas vendas foi o de portáteis, com uma queda no segmento de portáteis na comparação com 2005, de 6,57%. O fator mais importante para o desempenho negativo foi a concorrência de produtos importados, que se tornaram mais competitivos devido à valorização do real, enquanto os produtos fabricados no mercado interno mantiveram seus preços estáveis.O presidente da Eletros disse ainda que prevê um desempenho melhor no segundo semestre, nas linhas branca e de portáteis, em função das vendas de final de ano. No segmento de imagem e som, especialmente televisores, como as vendas no primeiro e segundo trimestres estão sendo favorecidas pela Copa do Mundo, e inclusive há uma antecipação de compras por parte dos consumidores, a tendência é de que este segmento cresça menos no segundo semestre. Na média, o setor eletroeletrônico de consumo mantém a projeção de crescer entre 16% e 17% no acumulado deste ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.