Vendas de moradias usadas aceleram nos EUA

As vendas de moradias já existentes cresceram mais que o esperado em abril nos Estados Unidos, para o maior nível em cinco meses, refletindo o interesse de compradores em fechar contratos antes do fim de um crédito tributário.

REUTERS

24 de maio de 2010 | 12h48

A Associação Nacional de Corretores Imobiliários informou nesta segunda-feira que as vendas aumentaram 7,6 por cento em abril, para uma taxa anualizada de 5,77 milhões de unidades. É o maior nível desde novembro. Em março, o dado foi revisado ligeiramente para cima, para 5,36 milhões de unidades.

Analistas ouvidos pela Reuters esperavam que as vendas em abril crescessem 5,6 por cento, a 5,65 milhões de unidades. O dado de março anteriormente estava em 5,35 milhões.

"O aumento das vendas em abril era esperado por causa do efeito do crédito tributário, e sem dúvida haverá uma queda temporária nos meses imediatamente após o fim do benefício. Mas há outros fatores dando suporte ao mercado", disse Lawrence Yun, economista-chefe da associação.

Quem quisesse comprar um imóvel residencial precisava assinar o contrato até 30 de abril e concluir a aquisição até o fim de junho para ter direito a um crédito tributário federal.

"A questão crítica que permanece é se o mercado imobiliário vai ser capaz de caminhar com as próprias pernas, sem apoio do governo", afirmou Torsten Slok, economista do Deutsche Bank.

Dados da Associação de Concessores de Hipotecas mostraram na semana passada que a demanda por financiamento residencial é a menor em 13 anos após o fim do benefício.

Apesar de a economia ter crescido por três trimestres seguidos após a pior recessão em 70 anos e dos juros imobiliários estarem perto dos recordes de baixa, a recuperação do mercado imobiliário ainda é limitada pelo desemprego alto e pelas execuções de hipotecas inadimplentes.

A mediana nacional do preço das moradias subiu 4 por cento em relação a abril do ano passado, para 173.100 dólares --maior nível desde setembro.

O estoque de residências à venda em abril cresceu 11,5 por cento, para 4,04 milhões de unidades. É o maior nível desde julho, segundo a associação de corretores.

Outro relatório mostrou que a atividade econômica nacional avançou no mês passado para o maior nível desde dezembro de 2006, de acordo com o Federal Reserve de Chicago. O índice subiu de 0,13 em março para 0,29 em abril.

(Reportagem de Lucia Mutikani)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROEUACONSOLIDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.