Vendas de Natal no varejo dos EUA crescem após 2008 ruim

Os varejistas norte-americanos tiveram um desempenho melhor na temporada de festas deste ano que em 2008, de acordo com dados divulgados na segunda-feira.

PHIL WAHBA E JESSICA WOHL, REUTERS

29 de dezembro de 2009 | 11h30

A atividade medida pelo SpendingPulse, uma unidade do MasterCard Advisors, mostrou que as vendas no varejo britânico cresceram 3,6 por cento no período entre o dia 1o de novembro e a véspera do Natal, em 24 de dezembro.

Excluindo um dia extra de compras neste ano entre o feriado do dia 26 de novembro, dia de Ação de Graças, e o dia 24 de dezembro, esse aumento ficou próximo de 1 por cento, disse o SpendingPulse.

Os números do SpendingPulse refletem a atividade nas redes de pagamento da MasterCard e estimam outros tipos de pagamento como dinheiro e cheques. Eles excluem as vendas de gasolina e de automóveis.

Neste ano, menos consumidores tinham cartões de crédito após as administradoras apertarem os termos de crédito, enquanto muitos outros disseram que preferiam pagar com dinheiro para se manter dentro do orçamento.

Em 2008, os gastos dos consumidores caíram 2,3 por cento de acordo com o SpendingPulse, e 2,8 por cento de acordo com a Federação Nacional Varejista dos EUA, com a crise financeira levando consumidores a cortar gastos.

"No ano passado, a economia e os gastos do consumidor estavam em queda livre. Este ano nós estamos falando de um ambiente estabilizado", disse Kamalesh Rao, diretor de pesquisa econômica do Spending Pulse.

Rao alertou que a volta do consumidor ficou bem abaixo dos níveis de 2007. As vendas no período de festas podem corresponder de 25 por cento a 40 por cento das vendas anuais para muitos varejistas.

Analisando a temporada de festas como um todo, especialistas da indústria disseram que as vendas no varejo não alimentaram o otimismo nem que foram muito preocupantes para suas previsões.

"As festas de 2009 podem ser descritas em uma palavra: 'adequadas'", disse o analista-chefe de varejo do NPD Group, Marshal Cohen, em uma nota.

Mas levará semanas antes que os investidores descubram o que o impulso final significou para os resultados dos varejistas. Uma série de redes planejam divulgar seus resultados das vendas de dezembro no dia 7 de janeiro. Os resultados totais virão no dia 31 de janeiro.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROEUAVENDAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.