Vendas de Natal têm a maior alta em 10 anos, avalia Alshop

Shoppings do País deverão fechar o ano com uma receita de R$ 68,4 bi, crescimento de 13,46% ante 2006

VINÍCIUS PINHEIRO, Agencia Estado

26 de dezembro de 2007 | 11h44

Os shoppings centers brasileiros registraram um crescimento nas vendas entre 10% e 12% nas vendas de Natal, de acordo com estimativa da Associação Brasileiras de Lojistas de Shopping (Alshop). Segundo o presidente da entidade, Nabil Sahyoun, o resultado foi o melhor dos últimos dez anos. Em termos de faturamento, os shoppings centers do País deverão fechar o ano com uma receita de R$ 68,4 bilhões, o que representa um crescimento nominal de 13,43% ante 2006.De acordo com Sahyoun, a inauguração de 21 empreendimentos novos contribuiu para o aumento das vendas este ano. Ele destacou também o processo de redução da taxa de juros da economia, o que fez com que elevasse o número de compras feitas via crediário. "A queda do dólar também ajudou no desempenho dos shoppings, pois tornou os preços dos importados mais acessíveis", acrescentou o presidente da Alshop.Sahyoun disse ainda que o movimento nos shoppings populares verificou um crescimento muito grande em 2007, por conta do ganho real na renda dos clientes de menor poder aquisitivo e da queda da taxa de desemprego. A Alshop pretende divulgar ao longo de 2008 um estudo que trará mais detalhes sobre o impacto da entrada desses novos consumidores no mercado, cujo número estimado é de 1,5 milhão de pessoas.EmpregosDurante o período de Natal, os shoppings centers registraram a criação de 93 mil novas vagas temporárias, um avanço de 10% em relação ao ano passado. Desse total, 25% deverão ser contratados em definitivo, segundo o presidente da Alshop.ProjeçõesPara 2008, a associação projeta um crescimento de 10% no faturamento nominal, para R$ 74,7 bilhões. Segundo Sahyoun, existem hoje, entre obras e projetos, 76 empreendimentos que deverão ser inaugurados nos próximos dois anos.

Tudo o que sabemos sobre:
Natalvendas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.