Vendas de supermercados em janeiro apontam ano positivo

As vendas reais dos supermercados brasileiros subiram 8,56 por cento em janeiro contra o mesmo mês do ano passado, indicando que a previsão do setor para 2010 será atingida.

VIVIAN PEREIRA, REUTERS

24 de fevereiro de 2010 | 15h38

"O resultado de janeiro costuma nortear o desempenho das vendas no resto do ano. Com isso, as vendas em fevereiro também devem avançar ao mesmo patamar do primeiro mês do ano", disse nesta quarta-feira o presidente da Associação Brasileira dos Supermercados (Abras), Sussumu Honda, ao apresentar os dados do setor referentes ao último mês.

A Abras estima aumento de 9 por cento nas vendas dos supermercados em 2010. Se confirmado, o desempenho repetirá o visto em 2008. No ano passado, o setor contabilizou um crescimento de 5,5 por cento nas vendas.

"Ao contrário do que aconteceu em 2008, quando o faturamento cresceu isolado em função do aumento dos preços, este ano veremos vendas e volume crescendo alinhados", afirmou Honda.

Na comparação com dezembro do ano passado, as vendas dos supermercados no país em janeiro recuaram 21,74 por cento.

"A queda em relação a dezembro é considerada normal, por ocasião das festas de final de ano", ressaltou o presidente da Abras.

CESTA

A entidade também apresentou os dados da cesta AbrasMercado, composta por 35 produtos e calculada pela GfK, que em janeiro teve alta nominal de 0,89 por cento em relação ao mês anterior.

Já na comparação com janeiro de 2009, a cesta apresentou baixa nominal de 0,12 por cento, passando de 264,16 reais no primeiro mês de 2009 para 263,84 reais em janeiro de 2010.

Os produtos com maiores altas em janeiro, ante o mês anterior, foram batata (21,35 por cento), açúcar (4,62 por cento) --ambos prejudicados pelo excesso de chuvas-- e leite longa vida (2,73 por cento).

Em contrapartida, as maiores quedas foram de tomate (-14,36 por cento), cebola (-10,07 por cento) e óleo de soja (-3,54 por cento).

Tudo o que sabemos sobre:
VAREJO, ABRAS, JAN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.