finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Vendas de varejistas nos EUA sobem 1,8% em outubro

As varejistas dos Estados Unidos, no ápice da temporada de liquidações, estão encontrando os consumidores ainda contendo gastos. O crescimento das vendas no conceito de mesmas lojas (abertas há um ano ou mais) no país em outubro foi de 1,8%, abaixo das expectativas de aumento de 2%. As vendas no mês passado foram pressionadas pelo desempenho fraco das lojas voltadas para o público adolescente e por resultados mistos das lojas de departamentos. As expectativas eram altas porque em setembro e agosto as vendas superaram as projeções. No entanto, os consumidores norte-americanos estão lidando com cortes de empregos e com uma taxa de desemprego que se aproxima de 10% e, por isso, contiveram os gastos.

DANIELLE CHAVES, Agencia Estado

05 de novembro de 2009 | 15h08

Apesar do aumento menor que o previsto, várias empresas do setor informaram melhora na margem e aumentaram suas previsões para os ganhos do terceiro trimestre deste ano. Entre as lojas voltadas para adolescentes, as vendas da Aeropostale cresceram 3% em outubro. As lojas de departamento mostraram desempenho misto. As vendas da Macy''s caíram 0,8% e as da J.C. Penney recuaram 4,5%, enquanto as da Kohl''s subiram 1,4%. As três tiveram resultados abaixo das expectativas. Por outro lado, a Nordstrom anunciou um aumento maior do que o previsto, de 6,5%.

No segmento de lojas de desconto, a Costco Wholesale teve alta de 5% nas vendas em outubro. A Target, no entanto, não atingiu as estimativas, anunciando aumento de 2,8% nas vendas. Entre as varejistas que aumentaram as projeções para os ganhos do terceiro trimestre estão J.C. Penney, Kohl''s, Aeropostale, e Ross Store. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAvarejovendas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.