Werther Santana/Estadão - 5/6/2020
Werther Santana/Estadão - 5/6/2020

Vendas de veículos têm queda de 24,5% no pior outubro em 5 anos

Crise de abastecimento de insumos, principalmente eletrônicos, continua prejudicando a indústria de veículos e a oferta de carros segue limitada por causa de paradas nas linhas de montagem

Eduardo Laguna, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2021 | 16h37

A crise de abastecimento de insumos segue prejudicando a indústria de veículos, que teve no mês passado o pior outubro em vendas dos últimos cinco anos. Entre carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus, 162,4 mil unidades foram vendidas em outubro, 24,5% a menos do que o volume do mesmo período de 2020, quando o setor se reerguia do choque da pandemia.

Na comparação com setembro, as vendas tiveram alta de 4,7%, mas nada que sugira uma clara reação, considerando que o mês anterior a outubro foi, até agora, o pior deste ano.

Os números foram obtidos pelo Estadão/Broadcast no mercado e estão sujeitos a leves ajustes em relação aos balanços oficiais a serem divulgados amanhã pela Fenabrave, entidade que representa as concessionárias, e na segunda-feira pela Anfavea, associação das montadoras.

O volume foi o menor para o mês desde 2016, quando, em meio a uma prolongada recessão doméstica, o setor emplacou menos de 160 mil veículos em outubro.

No acumulado do ano, as montadoras entram no último bimestre com uma diferença ainda positiva de 9,5% em relação a 2020. De janeiro a outubro, na soma de todas as categorias, o total vendido foi de 1,74 milhão de unidades. A Anfavea, porém, não descarta a possibilidade de o mercado encerrar o ano levemente em queda, o que pode, de fato, acontecer se as vendas repetirem a média dos últimos dois meses.

Ainda que o consumo geralmente se aqueça nos últimos dois meses do ano, a oferta de carros nas concessionárias segue limitada por paradas de produção decorrentes da falta de componentes, especialmente eletrônicos, nas linhas de montagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.