Vendas do comércio em SP crescem 9,3% sobre mês anterior

O faturamento do comércio da região metropolitana de São Paulo registrou alta de 9,3% em outubro em relação a setembro, segundo a Fecomercio SP. Todos os segmentos do varejo registraram aumento de vendas, com exceção das lojas de roupas. Mesmo levando em conta que outubro sazonalmente tem melhores resultados que setembro, a variação é maior do que a média histórica para o mês, de 6%. Na opinião da Fecomercio SP, responsável pelos números, trata-se de uma ligeira recuperação das vendas, após as seguidas perdas do ano.O comércio de bens duráveis foi o que registrou os melhores resultados, com elevação do faturamento real de 14,57%. Nas lojas de departamentos, o aumento foi de 18,14% e de utilidades domésticas, 13,94%. O varejo de bens semiduráveis ficou com uma elevação de 2,16%, apesar da queda de 1,04% do vestuário, motivada pelo frio que gerou um encalhe das novas coleções nas lojas. Já as vendas de calçados aumentaram 16,12%.Também os supermercados e farmácias sentiram os efeitos do aumento de consumo, pois a elevação de vendas foi de 7,05% e 2,01%, respectivamente, levando a uma média de 6,60% do grupo de não-duráveis. No comércio automotivo, o faturamento cresceu 4,62% e nas lojas de material de construção, 7,58%.O lado ruim Na comparação com outubro do ano passado, entretanto, os dados são ruins. A queda foi de 10,71%, a maior do ano e a sexta consecutiva. Segundo a Fecomercio, o resultado está influenciado principalmente pela base de comparação. Em outubro de 2002 houve uma elevação de vendas por causa dos repasses de preços e o movimento de antecipação de compras relacionado às incertezas na área política.Todos os grupos pesquisados apresentaram queda de faturamento nesta comparação. A mais forte foi das lojas de material de construção, cujo recuo chegou a 22,16%. Em seguida, ficou o comércio automotivo, com 18,84%. Os semiduráveis caíram 17,06% e os não duráveis, - 14,81%. Já os duráveis perderam 6,69%.Apesar da reação em outubro, no acumulado do ano o comércio de uma forma geral ainda está com resultados inferiores ao de 2002. A expectativa da Fecomercio é de que, no fechamento de 2003, o comércio contabilize uma perda de 1%. Até agora, a queda é de 3,36%.Leia também os números do comércio no Brasil em setembro, segundo o IBGE.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.