Vendas do setor automotivo caem 10,4% em julho ante junho

Procura por ofertas com o IPI reduzido desacelera após empolgação dos consumidores nos meses anteriores

Jacqueline Farid, da Agência Estado,

15 de setembro de 2009 | 09h10

O segmento de veículos, motos, partes e peças registrou queda de 10,4% nas vendas em julho ante junho e recuo de 4,9% em relação a julho de 2008, aponta pesquisa do IBGE divulgada nesta terça-feira, 15, sobre o comércio varejista ampliado. As alíquotas do IPI voltam a subir gradualmente a partir de outubro.

 

Veja também:

linkRedução do IPI ajudou na melhora da economia, aponta IBGE

linkPIB cresce 1,9% no 2º tri e Brasil sai tecnicamente da recessão

especialUm ano após auge da crise, economia se recupera

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialDicionário da crise 

especialComo o mundo reage à crise

 

Analistas já previam em agosto que os efeitos da queda do IPI seriam menores nos meses seguintes.

As vendas de veículos e motos, partes e peças haviam aumentado 11,1% em junho na comparação com os números de maio e 20,8% em relação a junho do ano passado.

 

Segundo a pesquisa, o comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de veículos, motos, partes e peças e material de construção, registrou queda nas vendas de 6,0% em julho ante junho. Na comparação com julho do ano passado, houve aumento de 0,9%. No ano, o varejo ampliado acumula alta de 3,4% e em 12 meses, de 3,8%. 

 

O segmento de material de construção registrou redução nas vendas de 1,3% ante o mês anterior e de 12,5% na comparação com igual mês do ano passado.

 

Vendas do varejo crescem 0,5% em julho ante junho

 

As vendas do comércio varejista subiram 0,5% em julho, ante junho, na série com ajuste sazonal, segundo o IBGE. O resultado veio dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo AE Projeções (0,30% a 1,40%), mas abaixo da mediana de 0,80%.

 

Na comparação com julho do ano passado, as vendas aumentaram 5,9%, um resultado que ficou também abaixo da mediana projetada por analistas. Nesta comparação, as projeções variavam de 5,50% a 7,20%, com mediana de 6,20%. No ano, as vendas do varejo acumulam alta de 4,7% e em 12 meses, de 5,8%.

 

Supermercados puxa alta do varejo

 

O segmento de hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo registrou aumento de 10,1% nas vendas em julho ante igual mês do ano passado e foi responsável, sozinho, por 4,7 ponto porcentual, ou quase 80% do aumento de 5,9% apurado nas vendas totais do comércio varejista nessa base de comparação. Este é o segmento de maior peso na pesquisa de comércio do IBGE e registrou alta nas vendas também ante o mês anterior (0,8%).

 

Ainda na comparação com julho do ano passado, houve aumento nas vendas das atividades de

móveis e eletrodomésticos (0,5%); artigos farmacêuticos, medicamentos, perfumaria (13,4%);

equipamentos para escritório e informática (9,6%); livros, jornais, revistas e papelaria (12,1%) e outros

artigos de uso pessoal e doméstico (7,9%).

 

Houve queda nas vendas, ante julho de 2008, em combustíveis e lubrificantes (-4,2%); tecidos,

vestuário e calçados (-2,1%) e, no varejo ampliado, em veículos, motos, partes e peças (-4,9%) e

material de construção (-12,5%).

Tudo o que sabemos sobre:
vendasvarejojulhoIBGE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.