Vendas do varejo caem 0,3% nos EUA; preços sobem 0,8%

As vendas do varejo nos Estados Unidos registraram uma leve queda em outubro, refletindo a redução de demanda por automóveis e autopeças. O Departamento do Comércio informou que as vendas diminuíram 0,3% no mês passado, superior à queda de 0,2% projetada com base em pesquisa a 17 economistas consultados em pesquisa da Dow Jones-CNBC. Excluindo o movimento de concessionárias, as vendas do varejo subiram 0,2%, acima da alta de 0,1% prevista pelos economistas por esse critério. O departamento revisou ainda em baixa os dados de setembro, informando declínio de 0,4%, ante a estimativa de 0,2% projetada originalmente. Dados do relatório mostraram que a venda de materiais de construção e de jardinagem aumentou 1,6%, após expansão de 2,2% em setembro. As vendas de móveis cresceram 1%, enquanto as vendas em lojas especializadas em alimentos caíram 1,2%. Nas lojas de produtos gerais, o movimento foi estável, comportamento que se repetiu em lojas de eletrônicos e eletrodomésticos. As vendas em lojas de vestuários cresceram 0,1%. Preços ao atacadoOs preços no nível do atacado nos EUA tiveram, em outubro, a maior alta em sete meses, repercutindo os fortes reajustes de preços dos alimentos e de bens de capital. Aumentos de preços nos novos modelos 2004 de automóveis que estão chegando ao mercado norte-americano também impulsionaram o PPI (índice de preços ao produtor, na sigla em inglês). O Departamento do Trabalho informou que o PPI subiu 0,8%, enquanto o núcleo do índice - que expurga itens voláteis associados a energia e alimentos - acelerou-se 0,5%. Em setembro, o PPI geral tinha subido 0,3%, enquanto o núcleo ficou estável. Os dados surpreenderam os analistas, que mantinham uma projeção consensual de aumento de 0,1% para o PPI geral e seu núcleo em outubro. Os dados lançam luz sobre o novo tom adotado pelas autoridades do Federal Reserve, que têm abandonado o discurso de alerta sobre os riscos de deflação, substituindo esse tema por ressalvas sutis sobre inflação. A economia norte-americana cresceu 7,2% no trimestre de julho a setembro, o que correspondeu à maior expansão em quase duas décadas. Antes do PPI, nenhum dado tinha indicado que esse crescimento tinha gerado espaço para aumento de preços.O aumento do PPI geral foi alavancado pelo item alimentos, que teve a maior alta em quase 20 anos, ao subir 2,2% em outubro. Os preços de bens de capital aumentaram 0,6% - a maior alta desde março. O custo de itens relacionados a energia caiu pela primeira vez em cinco meses, recuando 0,1%. Os preços de gasolina recuaram 3%. Com os EUA se preparando para o inverno, o preço do óleo para calefação disparou 9,6%, o que representou a maior alta desde março. Com os novos modelos de 2004 chegando às lojas, os preços de automóveis subiram 1,6%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.