Vendas estão estagnadas no varejo

Lojas acreditam que os negócios vão deslanchar a partir de sexta-feira, quando deve ser paga a primeira parcela do 13º salário

MÁRCIA DE CHIARA , O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2012 | 02h12

A menos de um mês do Natal, indicadores do comércio varejista mostram que as vendas ainda não deslancharam. O elevado nível de endividamento dos consumidores continua atrapalhando as compras. A expectativa dos lojistas é que os negócios ganhem ritmo a partir do próximo fim de semana, depois do pagamento da primeira parcela do 13º salário, que ocorre na sexta-feira.

Na primeira quinzena deste mês, as vendas ficaram praticamente estagnadas, aponta a pesquisa da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Depois do crescimento anual de 6,3% em outubro, as consultas para vendas a prazo aumentaram só 0,3% na primeira quinzena deste mês em relação ao mesmo período de 2011.

Nos negócios à vista, houve queda 0,3% em novembro, nas mesmas bases de comparação. Em outubro, as consultas para vendas à vista tinham crescido 1,6% em relação ao mesmo mês do ano passado.

"As vendas estão empatadas. Não estamos esperando nada de novembro", afirma o economista da ACSP, Emílio Alfieri, levando em conta os resultados da primeira quinzena deste mês e que foi marcada pela emenda de feriados.

Os lojistas de shoppings confirmam que os negócios ainda não ganharam ritmo. "Os consumidores de shoppings viajaram muito nos feriados e as compras devem aumentar a partir deste fim de semana com o recebimento da primeira parcela do 13º salário", diz o presidente da Associação de Lojistas de Shoppings (Alshop), Nabil Sahyoun. Levantamento preliminar da Alshop indica que as vendas da primeira quinzena deste mês estão entre 3% e 4% menores que as do mesmo período de 2011.

A expectativa dos lojistas de que as vendas se acelerem a partir do próximo fim de semana pode não se confirmar. Quase um terço dos consumidores (32,6%) relatou que pretende usar esse dinheiro para quitar dívidas, segundo pesquisa realizada no mês passado com mil pessoas pelo instituto de pesquisas Ipsos Public Affairs para avaliar a confiança dos brasileiros. Desde que essa questão foi incluída na enquete em 2009, o resultado deste ano é o maior da série.

Liquidação. A liquidação relâmpago da sexta-feira passada, a Black Friday, ajudou a movimentar as vendas das lojas que participaram do evento. Na rede gaúcha de móveis e eletrodomésticos, a Lojas Colombo, as vendas pela internet no Black Friday bateram todos os recordes e registraram faturamento quatro vezes maior do que a marca histórica da rede, em um único dia, informa o diretor de vendas e marketing, César Siqueira. Segundo ele, houve um rescaldo da promoção no sábado, quando a rede faturou o dobro do que normalmente vende nesse dia.

Além das liquidações relâmpago, o comércio popular não tem do que reclamar por enquanto. A rede de lojas Armarinhos Fernando, com 3 das 16 lojas instaladas na rua 25 de Março, já ampliou em 6,5% o faturamento neste mês em relação ao mesmo período de 2011. A rede varejista é especializada em brinquedos, presentes e produtos sazonais.

"No nosso caso, o feriado só agregou vendas", diz o gerente geral da matriz, Ondamar Ferreira. Ele explica que boa parte da sua clientela é de lojistas do interior que aproveitaram os feriados para ir às compras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.