Vendas fracas fazem montadora dar férias coletivas

Decisão, que envolve três fábricas da GM no País, tem objetivo de ajustar volume à demanda

O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2014 | 02h06

Para ajustar o volume de produção à demanda, a General Motors dará férias coletivas em junho por períodos que vão de 12 dias a um mês nas três fábricas do grupo no País. As paradas envolvem o pessoal do terceiro turno das fábricas de São Caetano do Sul (SP) e Gravataí (RS), e da linha de comerciais leves e de CKD (carros desmontados) de São José dos Campos (SP).

A GM não divulgou o número de funcionários que ficarão em casa, mas, segundo os sindicatos de metalúrgicos dessas bases, estão envolvidos cerca de 3,2 mil operários da produção. O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano, Aparecido Inácio da Silva, disse que, naquela unidade, também serão dispensados mais de 3 mil funcionários mensalistas.

Na fábrica de São Caetano, as férias vão de 12 a 29 de junho e, em São José dos Campos, de 12 a 23 para um grupo e de 12 a 29 para outra equipe. Em Gravataí, a suspensão será de um mês, de 12 de junho a 11 de julho. Além das férias, haverá dispensa de todos os 21,5 mil funcionários do grupo nos dias 12, 17 e 23, datas de jogos do Brasil na Copa.

Nas últimas semanas, todas as grandes fabricantes têm adotado medidas de redução de produção.

A queda nas vendas de veículos e os altos estoques também levarão a fabricante de autopeças Bosch, de Campinas (SP), a reduzir um turno de trabalho em várias linhas da empresa em junho. O número de envolvidos está em avaliação, informa Besaliel Botelho, presidente da Bosch América Latina. "Houve um corte de 15% na demanda das montadoras", justifica o executivo.

Apesar das dificuldades atuais, Botelho informa que a empresa vai investir este ano R$ 108 milhões no Brasil, boa parte em projetos de nacionalização de componentes. Hoje, a empresa importa 40% de todas as peças usadas na produção e quer reduzir fortemente esse porcentual.

Greve. Uma greve dos cerca de mil trabalhadores da fabricante de autopeças Benteler, de Campinas, iniciada na quinta-feira, paralisou ontem as linhas de produção de várias montadoras. A empresa fornece conjuntos soldados, eixos e peças estampadas. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas, a greve é pelo pagamento de participação nos lucros (PLR), melhores condições de trabalho e contra demissões de funcionários com problemas de saúde.

A entidade informa que foram paralisadas ontem as linhas de montagem da Toyota em Indaiatuba (SP) e da Honda em Sumaré (SP). Silva, dos Metalúrgicos de São Caetano, também afirmou que a fábrica da GM na cidade não operou ontem por falta de eixos.

Em nota, a Honda confirma que "em função de problemas no abastecimento de determinadas peças", interrompeu a produção no segundo turno. O primeiro turno funcionou normalmente. "Salientamos que a parada não tem qualquer relação com a demanda no mercado brasileiro, que segue aquecida impulsionada pelo lançamento do novo Fit", informa.

O pessoal do primeiro turno da linha de produção da Mercedes-Benz em São Bernardo do Campo (SP) também não entrou para trabalhar ontem em razão de negociações para o pagamento da PLR. Após acordo com a empresa, que se comprometeu a pagar uma primeira parcela de R$ 7 mil, a produção foi restabelecida./ C.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.