Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Vendas no varejo crescem 2% em 2017, aponta o IBGE

Resultado representa o primeiro crescimento depois de dois anos: em 2015, as vendas do varejo restrito caíram 4,3%, e em 2016, 6,2%.

Daniela Amorim, Broadcast

09 Fevereiro 2018 | 09h17

RIO - As vendas do varejo restrito acumularam crescimento de 2,0% no ano de 2017, informou nesta sexta-feira, 9, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É o primeiro crescimento depois de dois anos: em 2015, as vendas do varejo restrito caíram 4,3%, e em 2016, 6,2%. 

Na passagem de novembro para dezembro, as vendas caíram 1,5%, na série com ajuste sazonal. O resultado representa o recuo mais acentuado desde janeiro de 2016, quando o volume vendido teve redução de 1,9%, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Comércio divulgados pelo IBGE.

Na comparação com dezembro de 2016, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram alta de 3,3% em dezembro de 2017. 

As vendas dos supermercados subiram 4,5% em dezembro de 2017, na comparação com o mesmo mês de 2016, dando a maior contribuição positiva para o avanço de 3,3% registrado pelo varejo no período

Varejo ampliado. As vendas do comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, acumularam alta de 4,0% no ano de 2017, segundo o IBGE. Esse foi o melhor resultado desde 2012, quando o segmento cresceu 8,0%. 

Na comparação com dezembro de 2016, sem ajuste, as vendas do varejo ampliado tiveram alta de 6,4% em dezembro de 2017. 

Na passagem de novembro para dezembro, as vendas nesse segmento caíram 0,80%, na série com ajuste sazonal. 

Por setor.  As perdas no varejo foram disseminadas na passagem de novembro para dezembro. Seis das oito atividades pesquisadas tiveram retração, puxando o recuo de 1,5% na média global no mês, segundo os dados do IBGE.

Segundo Isabella Nunes, gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE, a antecipação de compras nas promoções da campanha da Black Friday, em novembro, explica as perdas no varejo em dezembro.

"Apesar da queda em dezembro, a análise do varejo em comparações mais de longo prazo mostram uma situação melhor. As principais quedas em dezembro foram nos setores mais marcados pela Black Friday em novembro. Essa Black Friday do ano de 2017 foi mais intensa, dada essa conjuntura melhor do poder de compra", justificou Isabella.

Segundo a pesquisadora do IBGE, o ajuste sazonal da Pesquisa Mensal de Comércio está incorporando o crescimento do fenômeno da Black Friday naturalmente, sem prejuízo para os resultados.

Na passagem de novembro para dezembro de 2017, as quedas nas vendas ocorreram nos setores de Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-6,3%); Livros, jornais e papelaria (-4,0%); Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-3,0%); Móveis e eletrodomésticos (-2,7%); Combustíveis e lubrificantes (-1,0%) e Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-1,9%).

Na direção oposta, houve crescimento em Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (1,2%) e Tecidos, vestuário e calçados (0,5%).

No varejo ampliado, que inclui as atividades de veículos e material de construção, o volume das vendas recuou 0,8% em dezembro ante novembro. As vendas de Veículos, motos, partes e peças tiveram ligeiro recuo de 0,1%, enquanto Material de construção encolheu 1,7%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.