Estadão
Estadão

Vendas no varejo de São Paulo voltam a crescer depois de 30 meses

Segundo pesquisa da Associação Comercial de São Paulo, vendas do setor cresceram 0,8% em junho diante do mesmo mês em 2016

Eduardo Laguna, O Estado de S.Paulo

28 Agosto 2017 | 14h23

As vendas do varejo paulista cresceram 0,8% em junho, na comparação com o mesmo período de 2016, conforme pesquisa divulgada nesta segunda-feira, 28, pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Esse é o primeiro crescimento registrado pelo levantamento na comparação interanual em 30 meses.

O desempenho também permitiu que as vendas do setor no Estado fechassem o primeiro semestre com leve crescimento de 0,3% frente aos seis primeiros seis meses do ano passado.

"As quedas vinham diminuindo mês a mês e o varejo paulista chegou à estabilidade, confirmando a recuperação do setor", diz Alencar Burti, presidente da ACSP. Segundo ele, os números apontam uma tendência de crescimento mais vigoroso das vendas nos últimos quatro meses do ano.

O resultado é atribuído aos efeitos positivos sobre a renda e as condições de crédito causados pela queda tanto da inflação quanto dos juros, além do estímulo ao consumo provocado pelos saques de recursos que estavam depositados em contas inativas do FGTS.

+A jogada da Amazon com a Whole Foods

Os dados da pesquisa consideram o chamado varejo ampliado, que inclui as concessionárias de veículos e as lojas de material de construção, tendo como base as informações declaradas à Secretaria de Fazenda do Estado.

+Com um roubo de caminhão por hora, preço do frete para o Rio sobe até 35%

Na comparação com junho do ano passado, quatro entre nove setores varejistas monitorados mostraram crescimento, com destaque para a alta de 21,9% das vendas nas lojas de departamentos, eletrodomésticos e eletroeletrônicos. Na sequência, aparecem os setores de móveis e decorações (10,2%), concessionárias de carros (7,7%) e autopeças e acessórios (6,7%).

Na ponta oposta, caíram as vendas das lojas de vestuário, tecidos e calçados (-6,9%), bem como as das lojas de material de construção (-3,1%). As vendas dos supermercados recuaram 0,7% em junho, no comparativo interanual.

Mais conteúdo sobre:
Varejo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.