Vendas no varejo têm em julho a maior queda desde outubro de 2008, diz IBGE

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Vendas no varejo têm em julho a maior queda desde outubro de 2008, diz IBGE

Queda de 1,1% registrada em julho foi a mais forte para o mês desde o iníicio da série histórica

Economia & Negócios

11 de setembro de 2014 | 09h12

As vendas no varejo brasileiro surpreenderam e caíram 1,1% em julho sobre junho, pior resultado desde outubro de 2008, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira. 

O resultado de julho surpreendeu as expectativas dos analistas consultados pela Agência Estado, que previam entre uma queda menor - de 0,6% -, até alta de 1,3%.

A queda de julho também foi a mais forte para meses de julho desde o início da série histórica deste indicador, em 2000.

Na comparação com um ano antes, as vendas varejistas recuaram 0,9% em julho, o pior resultado para o mês desde 2003, quando houve recuo de 4,4% nesta comparação.

Até julho, as vendas do varejo acumulam altas de 3,5% no ano e de 4,3% nos últimos 12 meses.

A redução no consumo das famílias é reflexo da menor expansão no crédito, do maior endividamento e da conjuntura econômica menos favorável, afirmou Juliana Vasconcellos, gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE. "Em geral, estamos vendo uma economia menos favorável. Além disso, tudo indica para a diminuição do ritmo de expansão crédito, de 9,2% (em julho do ano passado) para 5,0% em julho de 2014 em termos de acesso a recursos livres", disse Juliana.

"Além disso, o mês de julho de 2014 ainda teve Copa do Mundo. Por isso, houve redução de número de dias úteis", acrescentou. Segundo a gerente do instituto, a redução de dias úteis afetou principalmente a venda de móveis e eletrodomésticos e de hiper e supermercados (que fechavam as portas na hora dos jogos).

Móveis e eletrodomésticos. Em julho, móveis e eletrodomésticos tiveram recuo de 4,1% nas vendas contra junho, e uma queda de 9,2% na comparação com julho do ano passado. Na base anual, além do nível menor de vendas, o resultado acaba sendo deprimido por uma base muito alta, já que nesse período de 2013 ocorreu o auge do impacto do Minha Casa Melhor, programa que financia até R$ 5 mil em compras de móveis, eletrodomésticos e eletroeletrônicos para famílias do Minha Casa, Minha Vida.

Revisão. O IBGE revisou as vendas do varejo em maio ante abril, de alta de 0,3% para estabilidade. Em abril ante março, o resultado também foi revisado, de queda de 0,3% para queda de 0,4%.

(Com informações da Reuters e da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
varejoibge

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.