Vendas nos supermercados caem em julho

Queda do indicador foi de 0,09% na comparação com o mesmo mês de 2011 e de 0,51% em relação a junho de 2012; expectativa da Abras para o fim do ano é positiva

Vanessa Stecanella, da Agência Estado,

28 de agosto de 2012 | 11h30

As vendas reais do setor supermercadista registraram queda de 0,09% em julho em relação a igual mês do ano passado, de acordo com o Índice Nacional de Vendas divulgado nesta terça-feira pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Na comparação com junho deste ano, o indicador apresentou retração de 0,51%.

De janeiro a julho deste ano, as vendas dos supermercados subiram 5,80% ante igual intervalo de 2011. Esses índices já foram deflacionados pelo IPCA, medido pelo IBGE.

Em valores nominais, o índice de vendas da Abras apresentou queda de 0,08% em julho em relação a junho e alta de 5,15% ante julho de 2011. No acumulado do ano, o índice nominal tem alta de 11,48% na comparação com igual período do ano passado.

De acordo com o presidente da Abras, Sussumu Honda, apesar de em julho as vendas apresentaram resultado abaixo do forte desempenho demonstrado no início do ano, o nível de emprego continua positivo e a expectativa para o restante do ano é de maior aquecimento da economia. "Isso deve contribuir para manter as vendas no patamar de 5% em 2012", disse Honda, por meio de nota.

A AbrasMercado, cesta de 35 produtos de largo consumo, analisada pela GfK a pedido da Abras, apresentou queda de 0,12% em julho em relação a junho deste ano. Já na comparação com julho de 2011, o indicador registrou crescimento de 8,05%, passando de R$ 295,98 para R$ 319,82.

Os produtos com as maiores altas em julho na comparação com junho foram tomate (+48,23%), farinha de mandioca (+3,61%) e queijo mussarela (+2,73%). Já os produtos com as maiores quedas no último mês foram batata (-16,66%), carne dianteiro (-4,34%) e carne traseiro (-2,10%), conforme levantamento da Abras.

Tudo o que sabemos sobre:
SupermercadosvendasAbras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.