Vendas nos supermercados têm alta anual de 1,2% em agosto

Na comparação com julho, porém, vendas do setor apresentaram recuo de 1,4% 

Rodrigo Petry, da Agência Estado,

29 de setembro de 2010 | 11h35

As vendas reais nos supermercados apresentaram crescimento de 1,2% em agosto em comparação ao mesmo mês do ano passado, segundo dados da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) divulgados nesta quarta-feira, 29. Em relação a julho, as vendas do setor apresentaram recuo de 1,4%. Nos oito primeiros meses do ano, o faturamento dos supermercados teve alta de 4,74% sobre igual período do ano passado. Os números estão deflacionados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

O volume das vendas nos supermercados de janeiro a agosto registra um crescimento de 6,8% em comparação a igual intervalo de 2009, de acordo com levantamento da Nielsen, encomendado pela Abras. O avanço da quantidade de produtos vendidos nos supermercados foi puxado por bebidas alcoólicas (alta de 16,3%) e bebidas não alcoólicas (11,1%).

Segundo comunicado da Abras, as vendas em volume nos supermercados mantêm "uma considerável alta". "Sinal de que mais pessoas estão entrando no mercado de consumo, o que é um indicador importante de ascensão social." A entidade ressalta como fatores positivos a expansão da massa salarial e a redução das taxas de ocupação da mão de obra, mas pondera que o consumidor vem expandindo suas compras para outros segmentos do varejo.

O valor da cesta de 35 produtos considerados de largo consumo, como alimentos, limpeza e beleza, medido pela GfK, apresentou queda de 1,27% nos preços em agosto ante julho, para R$ 270,94. Já na comparação com agosto de 2009, o valor da cesta avançou 4,11%.

Os produtos com maiores alta em agosto ante julho foram papel higiênico (4,16%), carne dianteiro (3,09%) e biscoito maisena (2,85%). As maiores quedas no período ficaram com cebola (-27,12%), batata (-18,17%) e desinfetante (-3,51%).

Tudo o que sabemos sobre:
supermercadosvarejoconsumoAbras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.