Felipe Rau/ Estadão - 18/3/2020
Felipe Rau/ Estadão - 18/3/2020

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Vendas para o Dia das Crianças devem recuar 4,8%, aponta CNC

Se confirmada, a queda será a primeira desde 2016; data é a terceira mais importante do comércio

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

06 de outubro de 2020 | 12h43

RIO - O comércio varejista deve registrar queda de 4,8% no volume vendido para o Dia das Crianças em relação ao mesmo período de 2019, prevê a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Se confirmada, será a primeira retração nas vendas para a data desde 2016, quando houve uma perda de 8,1% ante o ano anterior, já descontada a inflação do período.

As vendas de presentes para o Dia das Crianças - a terceira data mais importante do calendário varejista, atrás apenas do Natal e do Dia das Mães - devem movimentar R$ 6,2 bilhões neste ano. Mais da metade dessa soma ficará concentrada em São Paulo (R$ 1,77 bilhão), Minas Gerais (R$ 667,3 milhões), Rio de Janeiro (R$ 514,1 milhões) e Rio Grande do Sul (R$ 454 milhões).

As principais perdas em relação ao volume vendido no ano passado devem ocorrer em brinquedos e eletroeletrônicos, totalizando R$ 1,3 bilhão em vendas, queda de 2,5% ante 2019; livrarias e papelarias, somando R$ 48,1 milhões, recuo de 9,9%; e lojas de vestuário e calçados, num total de R$ 489 milhões, um tombo de 22,1%. O único avanço esperado para a data é do ramo de hipermercados e supermercados, que deverá movimentar R$ 4,4 bilhões, uma alta de 3,2% ante o desempenho de 2019.

“O processo de resgate do nível de atividade do varejo desde o início da recessão provocada pela pandemia de covid-19 ainda não está completo em diversos segmentos do varejo, especialmente naqueles três segmentos em que as perdas são esperadas. O travamento do mercado de trabalho, com desemprego em alta, aumento da informalidade e subutilização da força de trabalho, ainda é um desafio para o setor não apenas para esta data comemorativa, mas para as demais deste ano. A queda do auxílio emergencial a partir de setembro também deverá dificultar a retomada das vendas mesmo em um cenário de inflação e juros baixos”, avaliou o economista Fabio Bentes, autor do estudo da CNC, em nota oficial.

Segundo Bentes, a expectativa é que os produtos característicos da data estejam, em média, 3,4% mais caros do que no ano anterior. Dos 11 bens ou serviços pesquisados, cinco devem estar mais baratos que no ano passado, entre eles os brinquedos (-7,5%) e itens de vestuário como sapato infantil (-5,8%) e tênis (-3,1%). Por outro lado, o serviço de lanches deve estar 10,2% mais caro que em 2019.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.