bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Vendas reais da indústria do Rio sobem mais de 18%

As vendas reais da indústria fluminense subiram 18,65% em julho, ante junho, já descontados os efeitos sazonais. Os dados foram divulgados nesta terça-feira pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).Ainda nesta terça-feira, a instituição divulgou o Boletim Indicadores Industriais, referente a julho. Na mesma pesquisa é possível notar que na série sem ajuste sazonal, as vendas reais da indústria tiveram um saldo mais positivo, com elevação de 20,73% em julho frente junho. Na comparação com julho do ano passado, as vendas reais da indústria do Rio cresceram 11,46%. No acumulado de 2006, as vendas reais da indústria registram queda de 10,77%.O uso da capacidade instalada da indústria no Rio apresentou um aumento, passando de 78,52% em junho para 80,01% em julho. Em junho do ano passando, o uso da capacidade ficou em 74,22%. Todos os percentuais são da série com ajuste sazonal.RecuperaçãoSegundo a chefe da Assessoria de Pesquisas Econômicas da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Luciana Costa Marques de Sá, a recuperação no resultado de vendas reais da indústria fluminense se deu devido ao fim de problemas técnicos em uma grande empresa siderúrgica no Rio de Janeiro.De acordo com ela, o problema técnico da empresa durou quase todo o primeiro semestre, e foi tão influente que prejudicou também o resultado das vendas reais de janeiro a julho deste ano, que caíram 10,8% ante igual período no ano passado. Isso levou a uma redução de 63,9% nas vendas da indústria metalúrgica (setor que abrange siderurgia) no estado, no mesmo período. "Desconsiderando essa queda de vendas na indústria metalúrgica, teríamos um resultado de alta de 14,6% nas vendas reais da indústria fluminense, de janeiro a julho deste ano", afirmou a economista. Quando questionada sobre o assunto, ela preferiu não mencionar nomes de empresas ao enunciar os resultados. A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) é a maior empresa de siderurgia do Estado. Luciana adiantou ainda que o cenário do setor metalúrgico no primeiro semestre derrubou as estimativas da Firjan de desempenho da indústria do Rio para este ano. De acordo com projeções da economista, o limite máximo de elevação de vendas reais para este ano é 5%, ante o ano passado. Isso representa praticamente a metade do patamar de elevação do ano passado; em 2005, as vendas da indústria cresceram 9,7% ante 2004. De acordo com Luciana, caso se confirme uma alta de 5% nas vendas reais em 2006, será o pior resultado de vendas reais para a indústria do Rio desde 2003 - quando as vendas caíram 0,6% ante 2002. Matéria alterada às 16h32 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.