Venezuela anuncia primeira exploração de gás de xisto com a Petrobrás

Parceria envolve a estatal venezuelana PDVA (60%), a Petrobrás (36%) e a norte-americana Williams International (4%)

Reuters

21 de maio de 2014 | 16h46

A Venezuela vai começar a sua primeira exploração de gás de xisto no oeste do país, através de uma parceria com a brasileira Petrobrás, disse nesta quarta-feira o ministro do Petróleo do país.

"Aprovamos no ministério fazer as primeiras explorações para a busca de gás de xisto aqui no Lago Maracaibo", disse Rafael Ramirez durante uma conferência.

"Vamos começar em nossa joint venture Petrowayu", disse Ramirez sobre a sociedade, cuja empresa com maior participação é a estatal venezuelana PDVSA (60%) e na qual também participam a Petrobrás com 36% e a norte-americana Williams International Oil & Gas com 4%.

A exploração do gás de xisto já é comum em países como os EUA e Canadá, que apostam no recurso como a principal fonte de energia do mundo dentro de 20 ou 30 anos.

A nova tecnologia também tem seus críticos que acusam a exploração do gás de xisto de destruir fontes de água doce, inclusive subterrânea, e até causar abalos.

No entanto, as grandes empresas batizaram o recurso de "pérola energética" e estão gastando bilhões de dólares para pesquisa e exploração em grande escala.

O gás de xisto permitiria à Venezuela, que possui as maiores reservas de petróleo do mundo, economizar combustível para exportação ao destinar menos para geração de energia.

 

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAXISTOPETROBRAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.