Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Venezuela faz disparar exportação de Roraima

Estado que tem servido de porta de entrada para refugiados do país vizinho viu as exportações do agronegócio crescerem 179% no último ano

Coluna do Broadcast Agro, O Estado de S.Paulo

19 Fevereiro 2018 | 05h00

A crise da Venezuela não traz a Roraima apenas problemas. O Estado que tem servido de porta de entrada para refugiados do país vizinho viu as exportações do agronegócio crescerem 179% no último ano, de US$ 14 milhões em 2016 para US$ 40 milhões, e os venezuelanos receberam a maior parte. “Por causa da crise, importadores do país buscaram produtos alimentícios em Roraima, onde o custo é muito mais baixo do que em outras regiões brasileiras”, explica Pedro Henrique de Souza Netto, assessor técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), que antecipou à coluna estudo sobre o assunto. A agropecuária representa praticamente toda a pauta exportadora de Roraima, de R$ 41,4 milhões no ano passado. Entre os produtos demandados pelos venezuelanos estão açúcar, grãos e cereais, especialmente arroz.

>> Recuperação. O estudo da CNA também apontou que as exportações do agronegócio brasileiro para a União Europeia tiveram em 2017 o primeiro crescimento em seis anos, avançando 1,5% ante 2016, para US$ 16,95 bilhões. A alta foi puxada pelas vendas de milho, que saíram de US$ 180 milhões para US$ 750 milhões entre os períodos.

>> Sem pressa. O diretor de Portos da Cargill no Brasil, Clythio Buggenhout, aguarda autorização de órgãos ambientais para a construção de terminal portuário em Abaetetuba, município próximo ao Porto de Barcarena, no Pará. A licença pode sair em até um ano e o terminal entrar em operação entre 2022 e 2025. Não há pressa. A trading já pode exportar pelo Pará até 5,5 milhões de toneladas por ano via terminal de Santarém. Espera movimentar 4 milhões em 2018 e alcançar a capacidade total em cinco anos.

>> Pensando à frente. O investimento da trading se deve ao fato de que os navios exportadores têm aumentado de tamanho. Enquanto o calado do Porto de Santarém (foto abaixo) é de no máximo 11,5 metros – que suporta embarcações de até 55 mil toneladas –, Barcarena comporta 13,5 metros, para 66 mil toneladas, podendo ainda chegar a 16 metros. “Embora isso não seja um problema para nós hoje, a maior parte dos navios triplicou de tamanho em 20 anos e os de grãos seguirão essa tendência”, diz Buggenhout à coluna. Além disso, concorrentes como Bunge, ADM e Cofco já possuem terminais no vizinho Barcarena.

>> Resposta. Com a onda de consolidação no setor de defensivos agrícolas, empresas fabricantes de genéricos esperam mais rapidez do Ministério da Agricultura no registro dos produtos cujas patentes já expiraram. No ano passado, o número de produtos liberados, incluindo os genéricos, aumentou 46% ante 2016, passando de 277 para 405. Segundo Renato Seraphim, presidente da fabricante Albaugh, haverá um leque maior de opções para uso em lavouras e custos mais competitivos ante os dos Estados Unidos. “Lá, 80% da receita do setor refere-se a genéricos. Aqui, é metade disso”, conta.

>> Divisão. O braço de açúcar e bioenergia da Bunge no Brasil silenciou sobre as declarações do CEO da companhia, Soren Schroder, de que está em estudo a venda ou o desmembramento das usinas da multinacional no País. Um analista do setor avaliou que a localização de seis das oito plantas sucroenergéticas, entre São Paulo e Minas Gerais, facilitaria o desmembramento para a aquisição por outros grupos. 

>> Espaço disputado. Agricultores do Paraná se mobilizam para manter, nas eleições neste ano, representatividade no Congresso. “Imaginamos que haverá uma renovação de deputados e isso nos preocupa, porque pode afetar a Frente Parlamentar da Agropecuária”, diz o presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Paraná, Márcio Bonesi. A Aprosoja-PR está pedindo aos associados que busquem candidatos afinados com temas de interesse do setor. O Paraná é o segundo maior produtor de soja e milho do Brasil.

>> Escaldados. Desde a Operação Carne Fraca, deflagrada em março do ano passado pela Polícia Federal, as empresas de proteína animal vêm sendo obrigadas a elevar o investimento em qualidade dos produtos. A Divisão de Carnes da JBS, por exemplo, lançou o Selo da Cadeia de Fornecimento, com auditoria do Serviço Brasileiro de Certificações, que atesta o cumprimento de padrões internacionais em questões como bem-estar animal e rastreabilidade da matéria-prima. A ideia é que até o fim do ano todas as unidades da divisão operem com esse protocolo único e padronizado.

  

* Com Leticia Pakulski

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.