bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Venezuela importará tecnologia brasileira do biodiesel

A estatal do petróleo da Venezuela, PDVSA, pretende passar a produzir etanol a partir do ano que vem e importar tecnologia de biodiesel do Brasil. A afirmação foi feita nesta quarta-feira pelo diretor de refino da empresa, Igor Martinez. A empresa importa etanol da Petrobras desde o ano passado. Usa o álcool como componente da mistura de gasolina, com 3% de participação.Em relação ao biodiesel, ainda não há um cronograma oficial. "Penso que em dois ou três anos estaremos produzindo", arriscou Martinez, em entrevista na Hart World Refining & Fuels Conference no Rio. Na palestra que deu, em substituição ao vice-presidente de refino da empresa, Alejandro Granado, Martinez lembrou que a PDVSA até está em processo de certificação de reservas da faixa do Orinoco que, se confirmadas, transformarão o país no campeão de reservas do óleo. Lembrou também que o Mercosul, já com a nova sócia Venezuela, tem mais de 50% da capacidade de refino da América Latina já que o Brasil tem 26%, a Venezuela, 17% e Argentina 8%. Biodiesel No mesmo local, o diretor de Operações da Ipiranga, José Luiz Orlandi, afirmou que a empresa pretende vender biodiesel nos seus postos ainda este ano, possivelmente a partir de setembro ou outubro. A empresa encomendou sete milhões de litros do combustível à BR Distribuidora para receber de setembro até o ano que vem. Segundo Orlandi, a Ipiranga quer se antecipar à obrigatoriedade de vender biodiesel a partir de 2008 e tem muito interesse no novo combustível, mas não tem planos de produzi-lo. O biodiesel está sendo introduzido no Brasil como componente do óleo diesel entrando com 2% na mistura do diesel. Orlandi observou que na Alemanha há venda de 100% do produto para abastecimento de automóveis, mas considera que isso ainda é muito caro, mesmo em relação ao atual preço do petróleo. Um dos fatores de sucesso do álcool combustível foi a elevação dos preços do petróleo, observou.Venda Respondendo a jornalistas, o diretor negou que a Ipiranga esteja sendo vendida. "É a empresa que mais está crescendo no setor e segunda no mercado", disse. A refinaria da Ipiranga está parada "há uns dois meses", de acordo com ele. "A Ipiranga está fazendo todo esforço para preservar sua estrutura. Tomara que a gente descubra uma saída (para a refinaria)", disse. De acordo com ele, a empresa está aberta a investidores estrangeiros "mas não para comprar (a Ipiranga), mas para se associar, fazer joint venture", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.