Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Venezuela quer cesta de moedas em vez de dólar para o petróleo

A Venezuela defendeu nesta terça-feiraque a Opep (Organização dos Países Produtores e Exportadores dePetróleo) crie uma cesta de moedas que seria usada para definiro preço do petróleo, em vez do uso do dólar, devido ao patamarfrágil da moeda norte-americana, que reduziu o poder de comprados países produtores. A declaração veio do ministro venezuelano de Energia,Rafael Ramírez, durante entrevista a uma televisão estatal, naqual ele também culpou os EUA pelos preços recordes dopetróleo, dizendo que a pressão política que osnorte-americanos exercem sobre alguns países produtores ajudoua elevar os valores para o nível próximo aos 100 dólares obarril. Ramírez reforçou uma posição defendida pelo presidentevenezuelano Hugo Chávez durante um encontro dos líderes da Opepocorrido neste mês, na Arábia Saudita. Os anfitriões nãoconcordaram com o ponto de vista da Venezuela e a propostaganhou pouca força entre os membros do cartel. "O preço do petróleo é de 100 dólares o barril, mas de quedólar estamos falando? É um dólar que faz você rir", disseRamírez, que adotará uma postura agressiva em relação aospreços da commodity no encontro da Opep agendado para dezembro. "O dólar foi desvalorizado e está distorcendo o mercado depetróleo porque há uma crise financeira batendo à porta dosEUA", afirmou. As principais moedas tiveram valorização ante o dólar nesteano e alguns economistas temem que a crise no setor imobiliáriopossa levar os EUA à recessão, apesar de muitos outros dizeremque a economia do país é robusta o suficiente para superar osproblemas. Os temores sobre a oferta apertada de petróleo durante oinverno no hemisfério norte nos próximos meses impulsionou ospreços da mercadoria. Apesar disso, traders também afirmaramque a campanha norte-americana para impedir o programa nucleariraniano influencia o mercado mundial. Numa escala muito menor, os laços cada vez mais tênuesentre a Venezuela e os EUA, principal destino das exportaçõesde petróleo do país latino-americano, também reforçam ostemores no mercado. "A administração Bush colocou muita pressão (política)sobre os produtores de petróleo e gás. Qual é o resultado destapressão? Preços altos", disse Ramírez. Os EUA insistem que os países produtores, como os membrosda Opep, devem elevar a produção para reduzir a pressão sobreos preços.

BRIAN ELLSWORTH, REUTERS

27 de novembro de 2007 | 13h08

Tudo o que sabemos sobre:
PETROLEOVENEZUELA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.