Vésper retomará venda de telefone portátil

O aparelho Vésper Portátil poderá voltar ao mercado. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) suspendeu ontem a medida cautelar que impedia a venda do telefone, segundo informações da própria Vésper, que opera nas áreas da Telefônica e da Telemar. A Anatel impôs um prazo de 180 dias para que a operadora restrinja a mobilidade de seus aparelhos. A comercialização poderá ser retomada somente onde houver mecanismos de restrição.O presidente da Vésper, Luiz Kaufmann, explicou que o sistema de controle começará a operar em Campinas (SP) e chegará posteriormente à capital. "A expectativa é retomar as vendas em São Paulo em 30 dias." O sistema criará áreas de serviço, formada por conjuntos de estações retransmissoras. Saindo de sua áreas, o telefone deixará de receber sinais."Cada cliente será cadastrado com a definição de uma zona de restrição", explica Kaufmann. O executivo não revela quanto será gasto no software capaz de limitar a área de funcionamento do aparelho.A venda do Vésper Portátil foi proibida no final de julho, por determinação da Anatel. Antes disso, a Telemig Celular já havia conseguido liminar na Justiça, posteriormente revertida a favor da Vésper, para suspender a comercialização.Com a suspensão das vendas do Vésper Portátil por dois meses, a operadora não deverá atingir a meta de 800 mil assinantes até o final do ano. São 500 mil hoje, sendo 90 mil no Vésper Portátil. "Estamos revendo as metas", diz Kaufmann.Em dezembro, a Vésper espera lançar serviços de transmissão de dados em alta velocidade, no padrão CDMA 1xEVDO. O presidente da operadora, Luiz Kaufmann, informa que São Paulo será o primeiro mercado a contar com a solução, seguido do Rio de Janeiro. A tecnologia é da Qualcomm, principal acionista da Vésper e detentora mundial das patentes CDMA.Segundo Kaufmann, a Vésper estuda seriamente a aquisição de licenças do Serviço Móvel Pessoal (SMP). Ele reconhece que a compra colocaria a Vésper numa condição vantajosa como empresa de serviços móveis, mas destaca que os investimentos seriam altos e estão sendo avaliados pelos acionistas.RecursoA Telesp Celular voltou à carga contra o início das operações da TIM. Na noite de segunda-feira, a empresa entrou com agravo de instrumento contra a decisão da 4ª Vara da Justiça Federal, que na sexta-feira indeferiu pedido de liminar para barrar o lançamento dos serviços da TIM. Também na segunda-feira, a BCP entrou na Justiça na tentativa de bloquear o avanço da concorrência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.