Vestibular: dicas para escolher o cursinho

Vestibular. Para muitos estudantes esta palavra é sinônimo de desespero, horas à frente dos cadernos e livros e definição do futuro. Para auxiliar os jovens neste momento de transição da escola para a faculdade foram criados os cursos pré-vestibulares, mais conhecidos como cursinhos. Vale lembrar que são empresas sem reconhecimento do governo, com o único objetivo de preparar para o concurso a uma vaga na universidade. Professores e coordenadores educacionais avaliam que um bom cursinho é aquele que aprova o maior número de alunos nas boas faculdades.Para o coordenador de orientação profissional do Colégio Bandeirantes, Roberto Nasser, um bom cursinho deve aprovar, em média, 70% dos alunos. "Uma boa instituição consegue manter uma média de aprovação de 7 a cada 10 candidatos", avalia. Nasser ressalta que não adianta o cursinho fazer propaganda que seu aluno passou em 1º lugar no vestibular se o restante dos estudantes não conseguiu vaga nas faculdades. "Antes de entrar num cursinho o jovem deve verificar o número de alunos aprovados em boas faculdades", orienta.Segundo a professora e coordenadora de estágios e colocação no mercado profissional da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Christina Larroudé de Paula Leite, os cursinhos utilizam a propaganda enganosa para atrair novos alunos. "O estudante não pode se deixar levar pelas propagandas formuladas por estas empresas. Ele deve visitar o cursinho e verificar se realmente eles aprovam a maioria de seus alunos", explica. A professora recomenda ao estudante visitar e assistir pelo menos duas aulas do cursinho para verificar se os professores, os métodos de ensino, as instalações e laboratórios do estabelecimento são de qualidade.Segundo a equipe de orientação educacional do colégio Dante Alighieri, a escolha do cursinho pré-vestibular deve se basear nas informações trazidas por colegas que já passaram pela experiência, pelo material didático oferecido pelo cursinho, pela avaliação dos professores e, também, pelo índice de aprovação nos grandes vestibulares. Estudante deve evitar fazer cursinho e colegial juntos"É importante que o estudante e avalie o que será melhor para o seu desempenho no vestibular: número de alunos em sala de aula, módulos de reforço oferecidos, plantões de dúvidas, horário e qualidade dos professores", explica o pedagogo e coordenador de orientação profissional do Colégio Marista Arquidiocesano, Silvio Luis Bedani. Ele aconselha o estudante evitar fazer o cursinho junto com o colegial. "É uma experiência que poucas vezes dá certo. O aluno fica estressado, cansado e consegue absorver pouco do que os professores passam em sala de aula e acabando não passando no vestibular", explica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.