Via Varejo, do Pão de Açúcar, vai vender móveis planejados

Dona das bandeiras Pontofrio e Casas Bahia quer concorrer com empresas como Etna,Tok&Stok e Todeschini

REUTERS, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2014 | 02h04

A Via Varejo, empresa que opera as bandeiras Pontofrio e Casas Bahia, anunciou ontem o início da venda de móveis planejados e a revitalização de ambientes de exposição de móveis em suas lojas. Trata-se de uma aposta na sofisticação da oferta de móveis para alavancar vendas num setor que é extremamente fragmentado no País. Com a nova estratégia, a Via Varejo quer bater de frente com empresas como Tok&Stok, Etna, Todeschini e Favorita.

Com a novidade, a Via Varejo, líder de mercado no País e dona da fábrica Bartira, quer abocanhar fatia maior de um mercado que movimentou R$ 60 bilhões em 2013. As vendas da Via Varejo nesse segmento somaram R$ 5 bilhões no ano passado e representam cerca de 20% de suas vendas.

"O consumidor vai continuar achando os móveis que sempre achou na nossa loja. Queremos agora atingir o consumidor que não compra com a gente", afirmou o diretor comercial de móveis da empresa, André Caio.

Com a revitalização, a Via Varejo vai expor móveis em ambientes planejados, nos moldes de rivais que oferecem móveis mais caros e com componente mais forte de design, como Tok&Stok e Etna.

Já com os planejados, vendidos por meio de parceria com a fabricante Unicasa, a ideia é atrair os consumidores que enxergam esses produtos como sonho caro demais. Enquanto uma cozinha de aço tradicional parte de cerca de R$ 800, uma modular sai de R$ 1,5 mil, e uma planejada, de R$ 3 mil.

Nova categoria. "Não existe no mercado de planejados, hoje, oferta inferior a R$ 10 mil. Estamos criando essa categoria", disse o diretor-presidente da Via Varejo, Líbano Barroso. O prazo de entrega será, inicialmente, de 50 dias, com a perspectiva de cair à medida que as operações amadurecerem, disse.

Na visão do executivo, o fato de a indústria de móveis ser pulverizada no País contribuiu para que ela não acompanhasse a evolução dos desejos de consumo da classe C com a rapidez que é vista, por exemplo, na indústria de eletrônicos. "Vimos uma possibilidade de ser liderança nisso, criar tendência e atender a essa realidade", afirmou.

A expectativa de é que a venda de móveis suba de 20% a 30% nas unidades que passarem pelas mudanças, afirmou o diretor executivo comercial da Via Varejo, Henrique Vendramini, sem dar detalhes ou prazos.

Duas lojas da Casas Bahia já estavam operando ontem reformuladas com o novo conceito - uma na cidade de Santo André (SP) e outra na zona sul da capital paulista. Até o fim do ano, 11 lojas no Estado de São Paulo vão passar a vender móveis planejados, algumas delas serão da bandeira Pontofrio. Sete dessas lojas terão espaços revitalizados para a exposição de móveis.

Crescimento. Segundo Barroso, a empresa vai avaliar o desempenho dessas unidades-piloto para definir uma expansão, com a formatação de um plano de desenvolvimento ainda no primeiro semestre de 2015.

Apesar dos sinais de desaceleração econômica e aperto fiscal pelo governo reeleito da presidente Dilma Rousseff, ele afirmou que a empresa acredita no potencial de venda dos novos produtos.

"Tem mercado e estamos confiantes nisso", disse Barroso. "O cenário macroeconômico é difícil, porém nunca fizemos nosso plano com a leitura macro. Olhamos para o micro, analisando o potencial na região e da concorrência", emendou o executivo, reiterando que a companhia mantém a meta de abrir 70 lojas neste ano e mais 70 em 2015.

No terceiro trimestre do ano, a Via Varejo teve lucro líquido de R$ 216 milhões, uma alta de 17,4% na comparação anual. A receita líquida subiu apenas 0,7% no período, para R$ 5,3 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.