Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Viagem cortada pela metade

Vôo para Porto Alegre termina em SP

Marianna Aragão, SÃO PAULO, O Estadao de S.Paulo

07 de novembro de 2007 | 00h00

O professor gaúcho Pedro Ferrante foi um dos últimos passageiros da companhia aérea BRA, que suspendeu suas operações no Brasil e no exterior. Ele saiu de Belém às 2 horas de ontem, com destino a Porto Alegre, mas no final da tarde ainda não havia conseguido chegar à sua cidade. "Na conexão em Guarulhos, nos avisaram que todos os vôos estavam cancelados." Segundo ele, a informação dada pelos funcionários da companhia durante desembarque em São Paulo foi que seria possível embarcar num vôo da OceanAir, em Congonhas, às 18 horas de ontem. Ao chegar ao local, porém, recebeu o aviso que não poderia viajar pela empresa. "Simplesmente empurraram o problema para longe." O cozinheiro Gean Belmiro sairia num vôo da BRA para Milão, onde trabalha, na última quinta-feira. Porém, sua passagem foi remarcada para segunda-feira, quando também não houve vôo. Ele foi acomodado em um hotel em Guarulhos. Até ontem, não tinha previsão de quando iria embarcar. Além disso, ontem, o hotel pediu para que saísse, porque a empresa parou de pagar as despesas. "Já perdi meu emprego em Milão porque não consegui voltar."No aeroporto de Congonhas, um funcionário da BRA disse que a empresa não faz mais vôos saindo do local há cerca de 15 dias e que a venda de passagens da companhia está suspensa a partir de hoje. Apenas um estande de vendas de bilhetes ficou aberto até às 17 horas, quando três funcionários resolveram fechar as portas. O horário normal de encerramento é 22 horas. Uma atendente, que não quis se identificar, disse que os trabalhadores da companhia foram convocados para uma reunião hoje. "Não sabemos do nosso futuro."Outro atendente disse que já cumpria aviso prévio desde segunda-feira e que outros 65 funcionários tinham sido demitidos na mesma data.No aeroporto de Guarulhos, onde apenas dois vôos da companhia estavam previstos para decolar ontem - para Belém e Porto Alegre -, cerca de 20 passageiros foram tentar embarcar e receberam a orientação para procurar outras companhias. O superintendente-regional da Infraero, Reinaldo Souza, porém, afirmou que apenas Gol e Varig estavam endossando bilhetes, e apenas para os vôos de ontem.Passageiros com bilhetes para outras datas também procuraram o guichê da companhia, mas foram informados que só poderiam trocá-los no dia previsto para o embarque. Outra opção dada pelos funcionários foi o reembolso das passagens na loja da companhia. A loja, porém, foi fechada por volta das 20 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.