Viagem de Lenicov é somente reinício de negociações

O ministro da Economia, Jorge Remes Lenicov, se preparava hoje à noite para embarcar paraWashington, levando consigo o relativo trunfo de que o dólar - no primeiro dia de câmbio flutuante - não disparou tanto como calculavam os analistas mais pessimistas. Remes Lenicov, em sua primeira viagem à capital dos Estados Unidos na categoria de ministro, tentará seduzir os integrantes do Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Departamento do Tesouro para que ajudem a Argentina financeiramente, de forma a enfrentar uma eventual disparada da moeda americana.No total, serão 48 horas de intensas reuniões nas quais Remes Lenicov retomará as negociações atualmente paralisadas com o organismo financeiro. Segundo analistas, do sucesso da viagem de Remes Lenicov dependerá em boa parte o comportamentodo dólar nos próximos dias.No entanto, o governo está tentando minimizar aselevadas expectativas criadas sobre a viagem. O porta-voz do presidente Eduardo Duhalde, Eduardo Amadeo, declarou que não é para esperar que o ministro "volte com as valises cheias de dinheiro". Segundo Amadeo, este é um reinício das negociações com o FMI: "é para sentar frente a frente e olhar olho no olho". As conversas com o organismo financeiro, afirma o porta-voz,"serão complexas" e poderão levar "até dois meses".Nos últimos dias, diversas especulações na cityfinanceira portenha indicavam que o governo pediria entre US$ 15 bilhões e US$ 25 bilhões de ajuda ao FMI. Mas Amadeo recusou-se a estipular valores: "não falaremos sobre números". O mais provável, afirma-se no Ministério da Economia, éque este primeiro encontro entre Remes Lenicov e o FMI servirá para estabelecer uma agenda futura de negociações.Orçamento - O governo argentino terá vários problemas com o FMI. Por um lado, ainda não foi implementada a Reforma Tributária. Além disso, ainda passarão dois meses até que o governo federal discuta com as províncias a redestribuição da arrecadação tributária. Mas o principal ponto de desagrado do FMI com a Argentina é o projeto de orçamento nacional, que começaria a ser debatido entre quarta-feira e quinta-feira. Oorçamento não teria as características de "sustentabilidade" exigidas pelo Fundo. Segundo o secretário de Fazenda, Oscar Lamberto, "o problema com o FMI não é o orçamento, mas sim, os números de longo prazo da economia argentina".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.