Fabio Motta/ AE
Fabio Motta/ AE

Viajante com escala em SP poderá fazer parada para turismo e negócios no Estado

A partir de janeiro, Gol, em parceria com Air France-KLM, oferecerá parada estratégica conhecida como 'stopover', na qual turista pode passar alguns dias na cidade durante conexão

Letícia Fucuchima, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2019 | 16h26
Atualizado 21 de agosto de 2019 | 17h41

A Gol começa a oferecer neste mês o serviço de “stopover” para voos nos aeroportos paulistas de Guarulhos, Congonhas e Viracopos. Em anúncio realizado na manhã desta quarta-feira, 21, no Palácio dos Bandeirantes, o presidente da aérea, Paulo Kakinoff, afirmou que o projeto estará completamente maduro em janeiro de 2020, quando agências de turismo e sua parceira estratégica Air France-KLM poderão oferecer o serviço em suas próprias plataformas.

O “stopover” é uma forma de conexão entre rotas, que permite aos viajantes permanecer em uma parada intermediária por alguns dias. Segundo o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), a iniciativa é pioneira no País e aumentará a geração de receita e o turismo no Estado. O projeto entrará em uma segunda fase em novembro, quando se espera que outras companhias aéreas também comecem a oferecer o serviço em São Paulo, informou Doria.

Vinicius Lummertz, secretário de Turismo, disse que cerca de 10 empresas, nacionais e internacionais, conversam com o Estado para implementar o “stopover”. Entre as aéreas que estudam o projeto, ele citou Lufthansa e Virgin Airlines. “Todos têm interesse. A decisão da Gol de sair na frente vai fomentar o mercado”, destacou.

Kakinoff explicou que a opção de “stopver” em voos da Gol só poderá ser comprada ou na ida, ou na volta da viagem. Os bilhetes nessa modalidade estarão disponíveis a partir de hoje no site da empresa e, em alguns meses, em todos os canais de venda da Gol.

De acordo com o presidente da aérea, a inclusão do serviço na passagem não acarretará custos adicionais em relação a uma viagem tradicional. “Não haverá alteração tarifária”, disse, acrescentando que o valor do bilhete com o “stopover” será igual ou menor do que se o consumidor comprasse todos os trechos separadamente.

O executivo não comentou sobre expectativas de aumento do volume de passageiros transportados pela Gol, mas observou que a empresa traz para o Estado de São Paulo, todos os dias, cerca de 32 mil pessoas.

Mais cedo, a Gol havia divulgado que sua parceira estangeira Delta também ofereceria,  em sua plataforma, voos da Gol com "stopover" no Estado de São Paulo, mas a informação estava incorreta e, por isso, a companhia aérea emitiu novo comunicado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.