Viaje para o exterior em segurança

A ocorrência de atentados terroristas é extremamente rara, embora assustadora. Mas, desde a semana passada, o passageiro tem de conviver com uma série de outros desconfortos, como leis mais rígidas e procedimentos minuciosos e demorados para a entrada em muitos países. E ainda não se conhecem os detalhes, mas os Estados Unidos estão preparando uma nova guerra. Aqueles que não se sentem seguros devem evitar aborrecimentos; se a preocupação for grande, é preferível mudar os planos.É importante lembrar que em lugares desconhecidos, e, muitas vezes sem conhecer a língua e os costumes locais, o turista sempre está em uma condição muito vulnerável. Evitar situações arriscadas e usar o bom senso são a melhor prevenção contra qualquer tipo de problema. Para quem viaja ao exterior e deseja evitar riscos, vão aqui algumas dicas:- Evitar países centrais, mais comumente atacados, como os Estados Unidos, Israel, Inglaterra, França, Alemanha, Espanha e Rússia. Países menores, de tradição pacífica e periféricos, como os latino-americanos, Portugal e Irlanda, por exemplo, são menos atraentes para os terroristas, apesar das normas de segurança menos rígidas.- Também é mais recomendável evitar regiões com conflitos étnicos, como Israel e África do Sul e países com população muçulmana. O mundo está prestes a assistir a uma guerra que pode provocar fortes reações em grupos étnicos e religiosos, com repercussões imprevisíveis.- Não hesitar em cancelar a viagem se a situação da região à qual o turista se destina estiver se deteriorando. Voltar para casa em meio a conflitos pode ser muito complicado.- Para evitar problemas, jamais abandonar a bagagem e verificá-la sempre antes de passar por controles de documentos e alfândega. São bem conhecidas as histórias de drogas e bombas plantadas.- Identificar a bagagem com clareza por dentro e por fora com informações sobre o passageiro são importantes. Também é recomendável aplicar alguma marca visível, como um adesivo colorido para que o próprio turista não confunda a sua bagagem com a de outras pessoas.- Jamais levar embrulhos e pacotes de terceiros. Muitas pessoas são insistentes e não têm aparência suspeita, mas este é um risco muito grande.- Cuidado com os documentos, especialmente o passaporte, cartões de crédito e traveller checks, que levam o nome do turista e podem ser usados para proteger o anonimato de criminosos. Durante deslocamentos, é importante mantê-los em segurança, em pequenas bolsas para transporte de dinheiro e documentos sob a roupa. Eles devem ser guardados sempre em locais seguros, como cofres em quartos de hotéis. O passaporte brasileiro é muito bem aceito no mundo todo e, portanto, é alvo de roubos e falsificações.- Nesses momentos de investigações muito rigorosas em alguns países, é melhor evitar dar indícios de intimidade com desconhecidos. Algumas pessoas foram presas por estarem próximas, ou até por terem conversado com suspeitos nos Estados Unidos. Evite ajudar terceiros a passar por controles, dividir acomodações e táxis.- Levar sempre seguro de viagem, com assistência médica e, atualmente, legal. Algumas empresas oferecem centrais de atendimento em vários países, providenciando médicos, dentistas e advogados confiáveis e realizando elas mesmas os pagamentos. Outras apenas reembolsam o passageiro quando ele retorna ao Brasil. Verifique as condições do seguro que o agente de viagens tenta vender, e, se não agradar, compre outro.- Em controles de alfândega e documentação, o importante é responder precisamente apenas ao que os agentes perguntam. Manter a calma e apresentar uma história coerente ajudam a não despertar suspeitas infundadas.- Para maior tranqüilidade, manter contato freqüente com amigos e parentes no Brasil. Eles devem sempre saber onde o turista se encontra para poder localizá-lo em caso de emergências. Também é importante saber o telefone e endereço da representação diplomática brasileira (consulado ou embaixada) mais próxima.Veja no link abaixo matéria sobre como planejar a viagem internacional com as fortes altas do dólar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.