coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Vice da Bolívia estará no Brasil nesta semana

O vice-presidente da Bolívia, Álvaro García Linera, tem programada uma visita ao Brasil esta semana, provavelmente na quinta. Na pauta, temas delicados como as dificuldades financeiras por que passa a estatal petrolífera de seu país, a Yacimientos Petroliferos Fiscales de Bolívia (YPFB). Linera é conhecido por seu perfil moderado, diferente dos rompantes radicais do presidente, Evo Morales. Depois de nacionalizar suas reservas de gás com estardalhaço, com direito a colocar tropas de seu exército em frente às instalações da Petrobrás, o governo boliviano se viu forçado a anunciar, em meados deste mês, a suspensão temporária de seu plano de ocupar totalmente a cadeia produtiva do petróleo, por falta de recursos financeiros. Na tentativa de superar esse problema, Morales negocia a liberação de US$ 180 milhões do Banco Central boliviano. Entre os negociadores brasileiros, comenta-se que além da falta de dinheiro a YPFB carece de recursos humanos qualificados para operar o setor. Esse será um ingrediente de peso na delicada costura em torno da questão do preço do gás, que segue em impasse. Evo Morales tenta de todas as formas levar a discussão para o campo político, onde acredita ter mais chances de obter concessões. O governo brasileiro tenta manter a discussão sobre o preço do gás no campo técnico e joga as negociações para a Petrobrás, que se recusa a negociar qualquer reajuste. Porém, numa tática de "morde e assopra", o Brasil oferece à Bolívia parceria em outras áreas. Há, por exemplo, um projeto de rodovia ligando a capital La Paz à província de Pando, no Norte da Bolívia. Existe também a possibilidade de o BNDES financiar a exportação de bens produzidos no Brasil para lá. Missões de técnicos brasileiros já foram enviadas a La Paz, para verificar outras possibilidades de cooperação. Quando se encontrou com Evo Morales no início de julho, em Caracas, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixou claro que não queria a contaminação dessas discussões pelaquestão do preço do gás.

Agencia Estado,

21 de agosto de 2006 | 08h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.