Vídeo com maus tratos aos animais no Brasil circula na Europa

Vídeo foi produzido pela Associação de Produtores de Carne da Irlanda, grupo que ataca importação do Brasil

Jamil Chade, de O Estado de S. Paulo,

19 de dezembro de 2007 | 13h17

Um vídeo circula pela Internet na Europa e entre as empresas no bloco que comercializam carne denunciando os maus tratos aos animais no Brasil, falta de controle fitossanitário e o uso incorreto de hormônios. O vídeo foi produzido pela Associação de Produtores de Carne da Irlanda, grupo que mais ataca a importação do Brasil e alega que o País está prejudicando as vendas européias. A Embaixada do Brasil na UE considerou o vídeo como "preconceituso" e não disfarçou indignação em relação ao seu conteúdo. Hoje, a Comissão Européia poderá anunciar novas limitações às carnes do País.   O vídeo, obtido pelo Estado de um produtor na Dinamarca, acusa os fazendeiros brasileiros de "não entenderem os padrões fitossanitários que existem na Europa". "A mentalidade no Brasil é diferente. O controle do gado é uma ficção e o sistema não tem credibilidade", diz o vídeo, enquanto mostra imagens de fazendas.   Um dos problemas destacados é a falta de controle no movimento de gado entre os Estados banidos pela aftosa - São Paulo, Mato Grosso do Sul e Paraná - e os demais. Outro problema seria a falta de controle na fronteira com o Paraguai. O país está impedido de vender carne para a Europa, mas o vídeo alega que não há controle entre o que passe de um lado para o outro da fronteira.   Os autores do vídeo alegam que viajaram 3 mil quilômetros pelo País e que encontraram nas propriedades garrafas de hormônios que são proibidas na Europa hoje.   O vídeo também aponta para as condições precárias em que vivem os agricultores, lembrando que alguns tem salários equivalentes ao de um situação de "escravidão". "Estamos colocando a Europa em uma situação de risco se continuarmos a importar carne do Brasil", conclui o vídeo.

Tudo o que sabemos sobre:
Carne brasileira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.