Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

coluna

Carolina Bartunek: ESG, o que eu tenho a ver com isso?

Vinho nacional ainda enfrenta desafio de reputação entre os consumidores

Enquanto o espumante já é considerado até melhor do que o internacional, outros vinhos ainda precisam se afirmar

Fernando Scheller*, O Estado de S.Paulo

11 de julho de 2020 | 05h00

O aumento do consumo é um bom sinal, mas o vinho nacional ainda enfrenta um desafio de reputação com o consumidor, de acordo com Felipe Gualtaroça, presidente da Ideal Consulting, que acompanha de perto o mercado do País. “Ainda há uma certa associação ao vinho de garrafão, mas aos poucos o preconceito está diminuindo”, diz o consultor. “Isso já não acontece mais com o espumante brasileiro, que já é considerado tão bom ou até melhor do que o internacional.”

Apesar do recente crescimento, ainda há uma carência de informação sobre vinhos – o consumo per capita de 2,13 litros por habitante ao ano ainda é bastante baixo diante de mercados mais maduros. Para se ter uma ideia, na maior parte da Europa o consumo está acima dos 20 litros anuais por pessoa, passando de 30 em várias nações, incluindo Itália e Suíça. Na América Latina, nações como o Uruguai e a Argentina estão cima dos 10 litros.

Portanto, a recém-adquirida curiosidade do brasileiro pelo vinho e pelo espumante precisa ser alimentada com conteúdo. A pandemia viu a explosão das lives sobre os mais diversos assuntos – e foi também um terreno fértil para os enólogos de plantão. 

Somente a sommelière da Wine, Cibele Siqueira fez 22 lives durante o período de isolamento. O argumento é que vinho pode ser bebido em qualquer ocasião – ela ministrou aulas de combinação da bebida até com paçoca, em homenagem às festas juninas.

Uma das características do vinho é a ligação com o entretenimento, de acordo com Marcelo D’Arienzo, presidente da Wine. Segundo ele, para incentivar a conversa sobre combinações e variedades, é necessário entrar em searas análogas, como a da gastronomia. “O vinho tem a vantagem de ser um produto que gera conversa: vou harmonizar com o quê? É um incentivo à pesquisa.”

Presença

As oportunidades de compra de vinho também tiveram de ser ampliadas. Além dos supermercados e dos e-commerces especializados, hoje o produto está mais evidência em grandes marketplaces, como Lojas Americanas e Magazine Luiza

A Wine vem tentando consolidar sua presença além da internet. A companhia já tem duas lojas – uma em Belo Horizonte e outra em Curitiba. Mesmo com a pandemia de covid-19, vai abrir mais oito até o fim do ano, em cidades como São Paulo, Porto Alegre, Goiânia, Salvador e Vitória.

Para tentar aumentar o interesse do brasileiro pelo tema, o Instituto Pró-Vinho está fazendo uma espécie de campanha institucional periódica do produto, para despertar o interesse da população. A ideia não é promover o produto nacional ou importado – que são trabalhados individualmente por associações de agricultores e de importadores –, mas o universo do vinho e do espumante. A próxima campanha do Pró-Vinho vai ser veiculada no fim de julho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.