Viracopos teve ágio de 159,75%

O consórcio Novas Rotas, formado pela Odebrecht e Changi, de Cingapura, ficou em segundo lugar na disputa pelo aeroporto de Viracopos. A proposta apresentada no leilão de fevereiro deste ano foi de R$ 2,524 bilhões - ágio de 71%. O grupo liderado por Triunfo Participações (TPI), UTC Participações e pela francesa Egis Airport arrematou o terminal do interior de São Paulo por R$ 3,82 bilhões, com ágio de 159,75%. O prazo de concessão de Viracopos é de 30 anos - maior do que os aeroportos de Guarulhos e Brasília, leiloados no mesmo dia. Um dos motivos do prazo maior é que o investimento previsto em Viracopos é de R$ 8,7 bilhões, o maior dos três aeroportos - o terminal do interior paulista é o que tem maior potencial de crescimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.