Visita de Krueger deve acalmar mercado, diz Carbone

O presidente da ABBI (Associação Brasileira de Bancos Internacionais), Geraldo Carbone, disse que a visita da vice-diretora gerente do Fundo Monetário Internacional, Anne Krueger, ao Brasil, pode interromper o "efeito manada" no mercado. Ele afirmou que a presença de Anne Krueger demonstra que o Brasil tem bom relacionamento com o Fundo. Ele disse não acreditar que Krueger viria ao Brasil para pedir garantia dos pagamentos do Brasil ao FMI no próximo ano, no valor de US$ 10 bilhões. Segundo ele, isso poderia ser feito à distância. Carbone afirmou também que uma ampliação de um acordo com o FMI não é previsível. De acordo com ele, um acordo de transição provocaria a vinda de uma missão de técnicos do FMI ao Brasil, e não da segunda executiva do órgão. Carbone disse que os bancos reunidos pela Febraban deverão ter uma reunião ainda esta semana com Anne Krueger no Brasil, mas a data e o horário ainda não estão definidos.Geraldo Carbone disse que as empresas brasileiras que têm empréstimos externos vencendo estão basicamente quitando as suas operações. Segundo ele, o mercado está seco para refinanciamentos. As exceções para financiamentos internacionais são para empréstimos entre matriz e filial. Ele disse que em todo ano eleitoral há uma escassez de refinanciamento, mas este ano foi agravado pela crise argentina, que superou os cenários mais pessimistas. Além disso, a descoberta de irregularidades nos balanços de companhias internacionais tornou o mercado mais avesso a riscos, disse Carbone.

Agencia Estado,

22 de julho de 2002 | 16h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.