Votorantim Cimento
Votorantim Cimento
Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Viter amplia oferta para se fortalecer em insumos

Marca agrícola espera crescer 10% em vendas, para 5,5 milhões de toneladas ao fim do ano

Isadora Duarte, Leticia Pakulski, Célia Froufe e Clarice Couto, O Estado de S. Paulo

24 de maio de 2021 | 05h00

A Viter, marca agrícola da Votorantim Cimentos, está investindo para ampliar a oferta de calcários, corretivos e nutrientes para solo. Criada há um ano, a empresa quer reforçar o posicionamento como fornecedora de insumos de alto valor agregado. Para isso, vai aportar R$ 15 milhões em 2021 e R$ 86 milhões nos próximos dois anos, dos R$ 200 milhões previstos até 2024. Parte da verba será destinada a aumentar em 293 mil toneladas a capacidade anual de produção das plantas de Xambioá (TO) e Itapeva (SP).

Com o investimento, a Viter espera crescer 10% em vendas, para 5,5 milhões de toneladas ao fim do ano. “Em faturamento, a alta pode ser superior, com aumento do portfólio de produtos especiais”, diz Bruno Marin, gerente comercial da empresa. Uma grande fatia da expansão virá dos grãos, que contribuem com 60% das vendas.

Diferenciados

Líder na comercialização de calcário agrícola, a Viter vai aplicar recursos também no desenvolvimento de produtos especiais. Projeta, assim, que o segmento represente 15% das vendas em 2021, ante 10% em 2020. Entre eles, está um protetor solar para folhas e frutos, previsto para o 3.º trimestre. “Até então, as soluções eram voltadas ao solo”, diz Marin. O insumo deve permitir à Viter maior participação em citros e café.

Reforço

A empresa fechou parceria com a Morro Verde, de minerais fosfatados, para, a partir do 2.º semestre, comercializar seu calcário com maior teor de magnésio. A previsão é vender 60 mil toneladas em 2021, podendo chegar a 300 mil toneladas em dois a três anos, segundo o executivo.

Para fora

A Viter também aposta nos países vizinhos. A fabricante passou a vender para o Paraguai no mês passado. As primeiras cargas foram pontuais, entre 300 e 500 toneladas, conta Marin. “Ao fim do ano, a exportação deve atingir 30 mil toneladas”, estima. O foco é a cultura da soja. 

Inova

A norte-americana Lindsay, do setor de irrigação, pretende aumentar o número de revendas no Brasil em até 20% este ano e buscar os produtores que ainda não usam a tecnologia. “A demanda cresceu com o preço das commodities”, diz Eduardo Navarro, diretor-geral no Brasil. Uma das apostas no País é o seu primeiro pivô inteligente, testado em 6 mil hectares de soja e milho nesta safra e que deve chegar ao mercado em 2022. Além de irrigar, ele monitora a lavoura a partir de sensores e câmeras embutidos.

Aperto

O único entrave é que os prazos de entrega de pivôs se alongaram com a escassez de insumos como aço e componentes eletrônicos, segundo Navarro. “Já vínhamos ampliando a nossa capacidade produtiva; a dificuldade é trazer material para produzir no momento certo e pelo preço justo.” A Lindsay não abre faturamento por país, mas obteve receita de irrigação 45% maior fora da América do Norte no 2.º trimestre fiscal de 2021, encerrado em fevereiro.

De braços abertos

O Brasil lidera uma força-tarefa para que os Estados Unidos voltem a ser membros da Organização Internacional do Café (OIC), com sede em Londres. A embaixada do País na capital britânica pediu ao diretor executivo da entidade, o brasileiro José Sette, que solicitasse uma visita com o embaixador norte-americano na cidade para tratar da possibilidade da reintegração dos EUA.

Dedos cruzados

Formalizada em março de 2018, durante o governo de Donald Trump, a saída da maior potência econômica mundial da OIC foi considerada um baque. Agora há expectativas de que a administração de Joe Biden, assim como retornou ao Acordo de Paris, também decida por prestigiar novamente a instituição.

Manda um whats

A decisão da Bunge de usar o WhatsApp para vender farinhas, pré-misturas e outros produtos a padarias, confeitarias e restaurantes deu resultados. O canal começou a ser usado em maio do ano passado, devido à pandemia de covid-19. Naquele mês foram, aproximadamente, 1,6 mil atendimentos. Já no 1.º trimestre de 2021, o número chegou a 1,9 mil. “A aceitação pelos clientes foi ótima. Para 2021, projetamos um volume 8 a 10 vezes maior de vendas”, diz Junior Justino, vice-presidente de Trigo e Derivados da Bunge.

Conta certa

A startup iRancho quer chegar ao fim do ano com até 1,2 mil assinantes e 2,5 milhões de cabeças de gado monitoradas em seu sistema de gestão para fazendas pecuárias. Atualmente, são 450 assinantes e 1,2 milhão de cabeças. Em 2020, a empresa obteve faturamento de R$ 670 mil e quer triplicá-lo em 2021. Thiago Parente, cofundador e presidente, diz que o crescimento virá de investimento em marketing, segmentação de vendas entre diferentes perfis de produtores e parcerias com consultores e cooperativas.

Novidade

A empresa atua em todo o País e quer levar a plataforma também para pecuaristas dos Estados Unidos e da América do Sul e Central. A iRancho fez pedido de patente de um novo processo de rastreabilidade e quer impulsionar a tecnologia com parte dos aportes das associações de investimento-anjo BR Angels, de R$ 1,5 milhão, e Agroven, cujo valor não foi revelado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.